Saúde

O presidente do Sindicato dos Profissionais de Enfermagem- Seet, Ismael Sabino comentou ao Conexão Tocantins na tarde desta quinta-feira, 17, sobre o rompimento contratual entre governo e a Organização Social Pró-Saúde. “Vejo com preocupação. Lutamos muito para que não houvesse essa terceirização”, frisou.

Na opinião do presidente, governo e Pró-Saúde estão se “engalfinhando”. “A culpa é do governo, ele é que tem responsabilidade de gerir a saúde e, no entanto terceirizou. Estamos vendo o produto final deste passo errado”, disse.

A Pró-Saúde alega que os salários dos servidores bem como pagamento de fornecedores, honorários médicos, aquisição de insumos e outras diversas atividades operacionais estarão prejudicadas em razão da falta de pagamento do Estado referente ao mês de maio. As condições para recisão contratual entre governo e Pró-Saúde ainda serão analisadas.

Segundo informações ao Conexão Tocantins a falta de pagamento também é um problema temido pelo Sindicato dos Médicos, presidido por Janice Painkow.

Para Janice, a decisão representa um alívio. “Mostra que o Estado está com a maturidade de tomar as rédeas da Saúde. Isso foi compromisso político dele”, frisou em entrevista ao Conexão Tocantins. Os prejuízos financeiros para os profissionais que tem vínculo com a Pró-Saúde devem ser sanados, segundo a presidente.