Saúde

Foto: Divulgação

O Sindicato dos Profissionais da Enfermagem do Estado do Tocantins – SEET protocolou, nesta segunda-feira, 11, o ofício n.º 080/2012 pedindo explicações do Secretário Estadual da Saúde, Nicolau Carvalho Esteves, quanto ao atraso no pagamento de cinco meses da gratificação de urgência e emergência concedida aos profissionais da enfermagem que trabalham nos Prontos Socorros. O recebimento está previsto na portaria n.º 0153, DOE n.º 3.381, de 13 de maio de 2011. A gratificação já era concedida desde junho de 2008.

O benefício de Urgência e Emergência, criado e financiado pelo Ministério da Saúde, é um incentivo para os profissionais que atuam em unidades de urgência e emergência públicas, para trabalhadores nos setores de Centro Cirúrgico, Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e de Pronto Socorro de nove dos 19 Hospitais Públicos do Estado. Em agosto do ano passado o governo já havia excluído o benefício para os profissionais da enfermagem que atuavam nos Centros Cirúrgicos e nas UTI’s.

O valor da gratificação varia entre R$ 300 e R$ 470, para auxiliares, técnicos e enfermeiros. Só no PS do Hospital Geral Público de Palmas, 150 profissionais estão com atraso nos benefícios.

De acordo com a diretora do Seet, Antônia Régia Faustino Costa, a medida do governo em atrasar esse pagamento reflete diretamente no orçamento das famílias.

“Todos os profissionais foram pegos de surpresa. A gratificação recebida desde 2008 retirada dessa maneira vem gerando insatisfação. A maioria está se sentindo lesada”, contou a diretora.

O presidente do SEET, Ismael Sabino da Luz afirmou que vai acionar o jurídico, se necessário for, para reverter essa situação.“O governo não pode agir com essa maneira arbitrária. Não dá para simplesmente deixar de pagar e ficar por isso mesmo. Queremos uma posição do Estado. Se isso não acontecer iremos na justiça cobrar nossos direitos”, garantiu o presidente. (Ascom Seet)