Meio Ambiente

Foto: Marcos Vinicius

A Secretaria Municipal da Saúde de Palmas (Semus), através do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Serviços Públicos (Semasp) levam a campanha "Cidade Mais Limpa" à região Norte da Capital, nesta quinta-feira, 25 de outubro, a partir das 8 horas, na Quadra 603 Norte. O objetivo da ação conjunta é incentivar a colaboração da comunidade através do acondicionamento correto do lixo e limpeza urbana da capital.

Com a parceria entre Semus e Semasp, os agentes de combate a endemias se tornam multiplicadores da campanha, levando ao morador informações importantes sobre como evitar o acúmulo  e realizar o acondicionamento correto de lixo. Os agentes informarão à comunidade ainda sobre as datas e horários da coleta de lixo, assim como os pontos mais próximos de coleta de resíduos recicláveis.

Para o secretário da Saúde de Palmas, Samuel Bonilha, o intuito principal "é levar à população o conhecimento necessário do risco à saude pública que o acondicionamento incorreto de materiais orgânicos e recicláveis produz", explica.  Segundo os relatórios do CCZ apontam que a maioria nas vistorias de combate à dengue na região Norte da cidade predominam os criadouros de mosquito da dengue que surgem por causa do lixo mal acondicionado, especialmente, durante o período de chuvas.

Dengue

A integração entre as forças entre as duas pastas inicia os trabalhos pela região Norte da cidade e será estendida às demais regiões como estratégia de parceria intersetorial de combate à dengue no período chuvoso. Segundo o supervisor geral de endemias, José Benedito de Oliveira, a região Norte da Capital foi escolhida para iniciar a ação por ser a região com histórico de alto de índices de casos notificados de dengue causados pela grande quantidade de lixo mal acondicionado e exposto a céu aberto.

Sobre a parceria, a diretora de Meio Ambiente da Semasp, Sandra Sonoda, explica que os agentes do CCZ  serão parceiros importantes na Campanha, pois depois de realizarem vistorias periódicas em áreas críticas e orientar os moradores, a comunicação dessas áreas será feita aos agentes de fiscalização da Semasp. A partir daí, explica Sandra, os fiscais procederão à notificação dos responsáveis, que, em caso de recusa à solução do problema constatado, poderão sofrer as penalizações previstas na legislação de crime ambiental brasileira.