Polí­tica

O juiz Evandro Neiva de Amorim, da 8ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT), mandou soltar nesta segunda-feira (7/10) cinco presos na Operação Miqueias, da Polícia Federal. A operação foi deflagrada no último 19/9 e investigou quadrilha suspeita de pagar propina a prefeitos para captar investimentos de fundos de pensão municipais.

Na decisão, o juiz entendeu que os acusados não podem aguardar o julgamento na prisão, porque o processo da Operação Miqueias foi remetido ao Supremo Tribunal Federal (STF) em função da presença de parlamentares na investigação. A decisão beneficia o doleiro Fayed Traboulsi, o policial aposentado por invalidez Marcelo Toledo e a delegada Sandra Maria da Silveira. Além dos líderes operacionais da quadrilha Carlos Marzola e Flávio Júnior, encarregados de criar empresas de fachada.

O Tocantins chegou a ser envolvido na Operação já que a Polícia Federal apurou que a quadrilha fez contatos com o deputado federal Eduardo Gomes em busca de fechar negócios com alguns prefeitos. Foi detectado também um possível envolvimento do Igeprev em investimentos de fundos da empresa do doleiro.

A Polícia Federal investigou os envolvidos durante um ano e meio por meio das contas bancárias de empresas de fachada ou fantasmas, abertas em nome de laranjas. Na ocasião, verificou-se a existência de uma holding de empresas que consistia em um serviço de terceirização para lavagem do dinheiro proveniente de crimes diversos.

Segundo a PF, a quadrilha lavou cerca de R$ 300 milhões, sendo que R$ 50 milhões vieram da aplicação indevida de recursos de fundos de investimentos do Regime Próprio de Previdência Social administrados por prefeituras. Dentre as prefeituras envolvidas estão as de Manaus; Ponta Porã e Murtinho, em Mato Grosso do Sul; Queimados, no Rio de Janeiro; Formosa, Caldas Novas, Águas Lindas, Itaberaí, Pires do Rio e Montividiu, em Goiás; Jaru, em Rondônia; e Barreirinhas, Bom Jesus da Selva e Santa Luzia, no Maranhão. (Com informações do Correio Brasiliense e do O Globo)