Polí­tica

Foto: Divulgação

O secretário municipal de Saúde de Palmas, Nicolau Esteves, reagiu nesta segunda-feira, 23, às denúncias feitas na sexta-feira passada pelo vereador Iratã Abreu (PSD), que apontou questionamentos acerca de sua gestão no comando da pasta. Sem entrar no mérito das questões levantadas, que ele classificou como "denuncismo irresponsável", Esteves disse haver motivação política por trás das recorrentes manifestações do vereador que é filho da senadora Katia Abreu (PMDB). "Atacam a mim para atingir o PT. Estão muito preocupados com nossa ascensão política", afirma o secretário de Saúde.

Um dos nomes cotados para disputar o governo do Estado pela chamada "terceira via", bloco que inclui PT, PP, PCdoB e PSL, Nicolau Esteves ironiza a estratégia dos virtuais adversários: "Eles fazem seus planos nos gabinetes, em Brasília, e acham que vão envolver todos os partidos em seus projetos. Mas o PT não participa desse tipo de conchavo e vai trilhar o caminho da mudança em 2014, ao lado daqueles partidos que também querem uma nova forma de fazer política no Estado”.

Nicolau Esteves evitou polemizar com o vereador Iratã Abreu, mas não deixou de dar suas alfinetadas: "Esse moço é um mero porta voz na Câmara, representa os interesses de um grupo oligárquico que busca o poder pelo poder. Não vamos aceitar o debate rasteiro, a crítica sem fundamento. Não vamos deixar que utilizem a Saúde em Palmas como palanque político eleitoreiro", política que tem sido prática rotineira no Estado do Tocantins.

"Isso não nos intimida, mas temos que reagir contra essa velha forma de fazer política, atacando e perseguindo adversários", disse Nicolau Esteves, enfatizando que, "esse tipo de conduta não tem mais espaço na sociedade moderna".

O político petista concluiu afirmando que não teme, mas repudia a perseguição.