Polí­tica

Foto: Divulgação

Em Colinas do Tocantins, a 252 km da capital, segundo denúncia do vereador, Junior Pacheco (PMDB), a cidade conta com dois postos de saúde reformados, mas devido à falta de pagamento da Prefeitura para a empreiteira que fez a reforma nos postos, os mesmos não foram entregues e a população está sendo atendida em prédios alugados com situações precárias.

Junior Pacheco afirmou ao Conexão Tocantins na manhã desta segunda-feira, 03, que os postos de saúde que estavam em reforma já estão prontos, mas que ao buscar o porquê da empreiteira contratada não entregar os mesmos à Prefeitura, o empresário da empresa afirmou não ter recebido. “Fui atrás para saber o porquê da empresa contratada  não entregar os postos, já que estão prontos, o empresário da empreiteira me informou que enquanto a Prefeitura não pagar, os mesmos não serão entregues”, disse Pacheco.

Pacheco ainda afirmou que a população não merece ser atendida com as condições que estão sendo, “Isso é lamentável, a população não merece ser atendida desta forma, merecem dignidade e respeito, fui atrás e a resposta que tive foi falta de pagamento da Prefeitura”. Os dois postos em questão são o Davino Teixeira no bairro Santa Rosa e Jarmilão Sampaio no Setor Campinas de Colinas.

Prefeitura

Em nota encaminhada ao Conexão Tocantins, a assessoria de comunicação da Prefeitura de Colinas do Tocantins, informou que no ano passado foram iniciadas obras de reformas e ampliações de cinco Unidades Básicas de Saúde na cidade, sendo eles: Posto de Saúde do Bairro Rodoviário, Posto de Saúde Jarmilão Sampaio no Bairro Campinas, Posto Maria Martins (Policlínica), Posto ­de Saúde São Cristovão no Bairro Santo Antônio e Davino Teixeira no Bairro Santa Rosa.

A assessoria ainda diz que o recurso repassado pelo Governo Federal não foi suficiente, tendo que o município entrar com um montante de R$ 80.000,00 para complementar o pagamento à empreiteira contratada para fazer as reformas, afirmando já ter pago a ultima parcela referente aos trabalhos realizados em 20 de janeiro, “a última parcela referente aos trabalhos realizados foi paga em meados de 20 de janeiro, faltando pagar apenas os valores das obras que ainda não foram concluídas”, afirma a nota.

Em nota a Prefeitura ainda pontua que foram alugados imóveis dando continuidade aos trabalhos, não prejudicando a população, “para que a população não fosse prejudicada, enquanto os postos estavam sendo reformados foram alugados imóveis no bairro correspondente ao Posto de Saúde, de modo que todos esses imóveis atendiam as condições para que os trabalhos tivessem continuidade”, finaliza em nota.