Campo

Foto: Divulgação

O Tocantins deu mais um passo nas práticas sustentáveis e consolidou o Plano Estadual de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC-TO).  Isso significa que o Estado vai lançar estratégias para reduzir a produção de gás carbono na agricultura, além de reforçar e ampliar as ações de preservação ambiental. Um compromisso que já é colocado em prática com reflorestamento, é o programa Eco Seringueira desenvolvido pela Secretaria da Agricultura e Pecuária (Seagro).

Segundo dados da Diretoria de Agroenergia e Florestas Plantadas da Seagro, em 2013 foram 155.928 hectares de florestas plantadas, sendo 6.825 hectares somente de seringueira. Em um prazo de seis anos, o Estado tem o objetivo de atingir o total de 300 mil hectares de florestas plantadas. Entre as metas também estão: recuperação de pastagens degradadas, aumento da integração lavoura-pecuária-floresta, crescimento da área de plantio, ampliação da fixação biológica de nitrogênio e tratamento de dejetos animais. O relatório com as metas já está em andamento para ser apresentado na reunião nacional do Plano ABC, que acontecerá em Brasília nos dias 8 e 9 de abril.

O Decreto sobre o Plano ABC-TO foi oficializado e publicado no Diário Oficial, no dia 28 de março de 2014. A publicação também traz os parceiros que integram o Grupo Gestor, que já trabalham no Plano como: Seagro, Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins), Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa - Pesca e Aquicultura), e outras 17 instituições que acompanham, monitoram e fazem avaliação sobre o Plano.

O secretário executivo da Agricultura e Pecuária, Ruiter Padua, observou a importância da oficialização do projeto. “Agora com o decreto oficial do Plano Estadual, o Estado poderá atuar em consonância com o Plano Nacional do ABC, cumprindo a sua parte na colaboração através do alcance dos resultados propostos nas metas nacionais”, explicou Padua.

Plano ABC

Durante a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-15), realizada em 2009, na cidade de Copenhagen, Dinamarca, o Governo Brasileiro assumiu voluntariamente o compromisso de redução de emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE) entre 36,1% e 38,9% até 2020. Para isso, o Brasil estabeleceu um conjunto de tecnologias denominado agricultura de baixa emissão de carbono (Plano ABC).

O país pretende atingir as metas através da adoção das seguintes práticas sustentáveis: recuperação de áreas degradadas em 15 milhões de hectares; integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF) em 4 milhões de hectares; sistema plantio direto (SPD) em 8 milhões de hectares; fixação biológica de nitrogênio (FBN) em 5,5 milhões de hectares; florestas plantadas em 3 milhões de hectares; e tratamento de 4,4 milhões de m3 de resíduos animais.

Eco Seringueira

Criado em 2011, junto à Coordenadoria de Agroenergia da Seagro, o Programa Eco Seringueira visa desenvolver o potencial do Estado para o plantio de florestas, por meio de reuniões e dias de campo, além de apoio para elaboração do projeto técnico para as propriedades rurais. Em 2011, a área de heveicultura no Estado era de 1.840 hectares, enquanto em 2013, estudos preliminares apontam para uma área de 6.825 hectares, o que representa um aumento de 270%. (Ascom/Seagro)