Polí­tica

Foto: Divulgação

O encontro da terceira via teve críticas ao governo e principalmente discursos pedindo união no grupo. Ao retirar sua candidatura, Nicolau Esteves justificou que “foi uma decisão estritamente pessoal, não teve pressão nenhuma”, disse. No entanto ele admitiu que a estratégia era mesmo Mourão como candidato. “ Sai o reserva e entra o titular”, disse. Ele defendeu o nome do colega de partido. Ele mandou um recado aos adversários: “ Desejo muita paz, muita alegria, tudo de bom mas nós vamos ganhar”, finalizou.

Já como pré-candidato, Paulo Mourão falou ao público presente sobre a criação do Estado e dos compromissos feitos para a nova unidade da federação. Ele falou de alguns indicadores do Estado e disse que o Tocantins cresceu três vezes mais que o PIB nacional. “Onde está o estudo que leve o desenvolvimento estratético para o Estado?”, frisou.

Num discurso detalhado ele disse que falta o idealismo para representar o povo e o Estado. Ele criticou que maioria dos representantes quer chegar ao poder com base no poderio econômico. Ele falou de aspectos econômicos do atual governo e citou a crise e supostos desvios no Igeprev. “Queremos saber onde estão os R$ 400 mi que roubaram do Igeprev”, disse.

Muito aplaudido, Mourão disse que é preciso despertar a consciência da população para que de fato dêem o recado de mudança e transformação nas urnas. “Temos que construir um Estado Novo. O Estado de todos nós”, disse.

O pré-candidato do PP, Roberto Pires foi incisivo nas críticas, falou da falta de remédios e da necessidade de mais qualidade na Educação e do déficit habitacional. “ É uma honra participar, me sinto preparado para encarar esse desafio. Mas vou apoiar seguramente qualquer um aqui que for escolhido. O importante é estarmos unidos e coesos”, disse. Ele disse que a terceira via tem a melhor proposta e condições de vencer.

O coordenador político do grupo, prefeito Carlos Amastha disse que união é fundamental mas que é preciso bons projetos e falou dos recursos que sua gestão tem conseguido para a capital principalmente para implantação do BRT. " Precisamos de união mais principalmente de bons projetos para transformar esse Estado", disse.

“ Não existe a mais mínima possibilidade que exista esse grupo com as características desses homens. A vitória é nossa e depende da nossa vontade de trabalhar. Eleição difícil foi a minha porque ninguém acreditava”, afirmou Amastha que pediu que todos tenham fé no projeto.

Críticas

 Os discursos na reunião da terceira via também foram de encontro ao desejo do grupo que a presidente Dilma seja reeleita. A deputada estadual do PT, Amalia Santana disse que está determinada a participar da terceira via mas que é preciso defender também a reeleição da presidente Dilma Rousseff. “ Não vamos sair totalmente vitoriosos se não reeleger a presidente Dilma”, chamou a atenção.

Também do PT, José Roberto Forzani disse que o partido quer distância de partidos que já governaram o Estado. “Fofoca na imprensa não está no coração do nosso partido. Demonstramos claramente que queremos distância de grupos que já governaram o estado. Nosso caminho é o da primeira alternativa”, frisou criticando o nome do grupo.

Ele não perdeu a disposição de desqualificar o governo do Estado. “Está um caos e um descaso”, frisou. Sobre o palanque para a presidente Dilma no Estado ele disse que o grupo não aceitará chantagem de ninguém que seja. O pré-candidato do PSL, Marco Antônio Costa frisou que depende apenas do grupo a conquista da vitória.

Estratégia

O grupo da terceira via definiu as estratégias através de grandes reuniões que acontecerão em Araguaína, Gurupi, uma na região Sudeste e outra no Bico do Papagaio. O encerramento será um grande encontro em Palmas. A mobilização começa por Araguaína onde será discutido o desenvolvimento urbano para os municípios. A data ainda será definida mas será entre 7 e 11 de abril.

O grupo vai discutir ainda desenvolvimento social e meio ambiente. Paralelo aos eventos acontecerão mobilizações e visitas aos municípios.

Já o novo nome do grupo da terceira via foi discutido no encontro e será definido a partir de ideias dos partidos. O nome proposto “ O nome precisa passar por um conceito”, explicou Hector Franco ao pedir sugestões para a escolha do novo nome.

Saia justa

O membro do PP e pré-candidato a deputado estadual pelo partido, Osvaldo Durães quebrou o clima do evento ao fazer uso da palavra após o secretário de Governo e Relações Institucionais, Tiago Andrino e dizer que o grupo não pode criticar partido A ou B. A fala do filiado foi feita justamente após Andrino criticar a Katia Abreu e dizer que é preciso reeditar a política a esperança para vencer o medo.

“Precisamos que os partidos respeitem um ao outro e termos a consciência de que o PMDB é importante assim como a senadora Katia Abreu”, disse Durães criando uma saia justa no evento.