Estado

Foto: Divulgação

Depois de muitos questionamentos e embates judiciais por parte de um grupo de procuradores do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins a conselheira Leide Maria Dias Mota Amaral pediu exoneração do cargo ao Tribunal. A portaria de número 176 foi publicada no Boletim Oficial do TCE desta última quinta-feira, 20 e traz a informação.

Leide teve sua indicação questionada desde o início por meio de processo movido pelos procuradores de contas, Marcos Antônio da Silva Modes, Alberto Sevilha e João Alberto Barreto Filho, este último já falecido. A indicação é questionada pelos procuradores de contas no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e seu afastamento já possui parecer favorável aos procuradores feito pela Procuradoria-Geral da República. Em 2011 a OAB também chegou a questionar judicialmente a indicação da conselheira.

Também em 2011, chegou-se a vislumbrar a aposentadoria do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Tocantins, Herbert Carvalho de Almeida em uma manobra visando esvaziar o processo de um mandado de segurança que os procuradores de contas movem contra a nomeação. Com a aposentadoria abriria-se a possibilidade para que o governador indicasse um procurador de contas, mas de sua confiança, e assim a ação perderia o objeto. O Conexão Tocantins chegou a acompanhar e tratar do caso

A indicação de Leide Mota como conselheira no pleno do TCE foi feita pelo governador Siqueira Campos em 2011 e na época gerou polêmica tendo inclusive sua indicação sido aprovada no plenário da Assembleia Legislativa em sessão extraordinária já em avançadas horas da noite. Até então ela era subsecretária da Indústria e Comércio.

Confira aqui mais assuntos sobre Leide Mota.