Estado

Foto: Divulgação Feira Agropecuária Feira Agropecuária

O Conselho de Desenvolvimento Econômico do Tocantins (CDE) aprovou em sua última reunião ordinária realizada na terça-feira, 15, um aporte financeiro no valor de R$ 2,5 milhões para apoiar as Feiras Agropecuárias realizadas pelos sindicatos rurais de todo o estado, durante o ano de 2014. O recurso é do FDE – Fundo de Desenvolvimento Econômico do Tocantins.

O projeto apresentado pela Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento prevê que sejam apoiadas 47 feiras, mas no decorrer do ano, alguns sindicatos podem não receber o recurso caso não tenham concluído a prestação de contas relativa ao projeto do ano passado ou não apresentem projeto adequado. O recurso será utilizado para estrutura e divulgação e não poderá custear programação cultural.

“As feiras agropecuárias levam aos produtores e à população, o que está sendo desenvolvido em cada região. Novas atividades, equipamentos e também diversão, principalmente nas pequenas cidades. Sem a ajuda do governo os sindicatos não conseguem realizar esses eventos e acreditamos que, é um compromisso do governo levar esse tipo de informação à população”, explica Rúiter Pádua, sub-secretário da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O secretário de Desenvolvimento Econômico Ciência, Tecnologia e Inovação e presidente do CDE, Paulo Massuia, acredita que aportes com esse fim demonstram compromisso em investir corretamente os recursos do FDE. “O agronegócio representa 17% do Produto Interno Bruno do Tocantins e apoiar as feiras agropecuárias é uma forma de incentivar o fortalecimento do setor. As feiras levam conhecimento, promovem vendas e atraem visitantes que fazem a economia das cidades girar”, destaca o secretário.

Incentivos fiscais

Na mesma reunião, o CDE aprovou a concessão de incentivos fiscais do Proindústria para três empresas do Tocantins, localizadas no município de Paraíso do Tocantins. O Proindústria concede crédito fiscal de 75% sobre o valor do ICMS apurado e 100% sobre o valor do ICMS nas prestações de serviços de transportes interestaduais com produtos industrializados. As empresas beneficiadas geram emprego e devolvem 0,3% do faturamento mensal ao FDE.