Polí­tica

Foto: Divulgação

A movimentação na Assembleia Legislativa do Tocantins para a sessão da eleição indireta neste domingo começou cedo. Prefeitos, vereadores e líderes políticos já lotam a frente da Casa de Leis, onde foram instalados telões, para acompanhar a sessão. Secretários de Governo também já estão no local.

Do lado de fora manifestantes já começam a se concentrar através do Movimento "Eu Também Quero Votar". A segurança foi reforçada e vários policiais militares estão distribuídos no local.

Serão oito candidatos no pleito e pelo menos 23 votos já que a deputada estadual Amália Santana (PT) não compareceu em razão de um acidente que sofreu nesta madrugada quando passava por Brasilândia. Sem Amália o PT ficou apenas com o voto de José Roberto Forzani. A parlamentar foi transferida para o Hospital Regional de Araguaína.

O deputado Stalin Bucar (SD) também chegou a passar mal mas deve comparecer para votar.

Os governistas devem ter 15 votos a favor da candidatura de Sandoval Cardoso quando que a oposição se divide nos votos.

O ex-governador Siqueira Campos e o ex-vice-governador João Oliveira além do ex-senador Eduardo Siqueira Campos estão com cadeiras reservadas para assistir a eleição da tribuna de honra.

Mandado de segurança

Os candidatos Paulo Mourão e Marcelo Lelis ingressaram com um mandado de segurança no Tribunal de Justiça visando cancelar a eleição indireta. O assunto gerou polêmica. Um dos principais advogados da área eleitoral do Tocantins, Juvenal Klayber criticou ao Conexão Tocantins a ação dos parlamentares. Segundo ele, o suplente de senador João Costa está por trás da ação.