Estado

Foto: Divulgação

A justiça concedeu uma decisão liminar que reduziu a fiança da ex-secretária de Saúde, Vanda Paiva para 100 salários mínimos. A fiança estabelecida inicialmente era de mais de R$ 1 mi. Vanda é uma das investigadas na Operação Pronto Socorro que investiga fraudes em licitações da Secretaria Estadual de Saúde- Sesau. secretário-executivo da Saúde, José Gastão de Almada Nede e Maria Lenice Freire foram liberados no final de semana.

Conforme informou o advogado de Vanda, Edimilson Domingos de Sousa Júnior a ex-secretária não tem esse valor e está sendo feita uma coleta entre amigos. “ Ela não tem esse valor para ver se tiramos ela até o final da tarde”, disse.

O diretor de apoio a gestão hospitalar, Luiz Renato Pedra Sá é o único que continua preso no Quartel do Comando Geral.

Mesmo com a liberdade dos investogados a Polícia Federal investiga as supostas fraudes e  a  Justiça autorizou a quebra do sigilo bancário. Uma avaliação da movimentação bancária dos acusados será divulgada em 40 dias.

O pedido foi da procuradora da República Renata Ribeiro Baptista, que está à frente das investigações.

A Polícia Federal informou que as investigações seguem em caráter sigiloso.

A Operação

A operação Pronto Socorro envolveu mais de 45 policiais federais e foi deflagrada no início desta terça-feira, 9, com mandados de busca e apreensão nas residências e também dependências da secretaria Estadual da Saúde. O alvo da operação foi um pregão para aquisição de materiais hospitalares com indícios de irregularidades. O valor passa de R$ 1,9 mi.

Além de Vanda a assessora jurídica da pasta, Maria Lenice Freire de Abreu Costa também está na cadeia feminina já o diretor do departamento de Apoio à Gestão Hospitalar, Luiz Renato Pedra Sá; o pregoeiro e membro da Comissão Permanente de Licitação da Sesau, Rodolfo Alves dos Santos; e o sócio da empresa Brito & Ribeiro, Rodolfo Alves dos Santos foram para a Casa de Prisão Provisória.