Palmas

Foto: Conexão Tocantins

Os comerciantes da Avenida JK, principal centro comercial da capital, acertam os últimos preparativos para a manifestação prevista para a quarta-feira, 29 quando pretendem fechar a Avenida nas duas vias pedindo melhorias para o estacionamento público. O novo modelo implantado pela prefeitura divide opiniões desde o início da mudança.

Os manifestantes querem tolerância de 30 minutos para a cobrança mínima, que o valor por hora caia de dois para um real além da liberação de cobrança aos sábados. Os comerciantes pedem ainda a liberação de cobrança para veículos de carga e descarga além de idosos e deficientes e o uso dos minutos em outras vagas. Os reivindicantes sugerem ainda a cobrança somente das 10 às 16 horas.

Em visita à redação do Conexão Tocantins um dos organizadores da manifestação o comerciante Marcos Tenório afirmou que a manifestação foi definida numa Assembleia Geral com a presença de 70 comerciantes. “Ficou decidido em Assembleia que na quarta-feira vamos fechar o comercio para protestar”, disse.

Questionado sobre o diálogo com a prefeitura sobre os pontos polêmicos o organizador disse que houve várias reuniões mas até agora nenhuma resposta. “Conversa já teve com o secretário Cristian Zini, com o prefeito e até com o proprietário da empresa Blue que se comprometeram a analisar propostas e sugestões. Já tem 60 dias e até agora nada, do jeito que está não tem como,  estamos sentindo no bolso”, disse.

O organizador alega que o índice de queda de vendas é de 40%. Ele afirma ainda que já demitiu três funcionárias este ano.

O empresário Ronaldo Ladeira, que tem uma loja de calçados na Avenida, afirmou que os clientes temem uma multa instituída pelo novo sistema de R$ 10. “ Esse método afasta o pessoal do estacionamento. A abordagem dos agentes é agressiva eles não conversam com os clientes, já chegam intimando. O únicos órgãos que podem multar é a Agência de Trânsito, Polícia Militar e Detran. Os agentes não tem autoridade de multa, isso aterroriza o pessoal e cria a imagem de que a JK é só estacionar que já paga multa”, disse.

Segundo ele, “mais três meses desse jeito e não compensa mais trabalhar”, disse.

Os organizadores pretendem usar carro de som, faixas, cartazes e ainda vestir preto. A maioria das lojas devem fechar as portas para a manifestação. A Polícia Militar, segundo eles, já foi informada oficialmente do manifesto. A Câmara de Dirigentes e Lojistas –CDL apoia a manifestação, segundo eles.

O estacionamento está em operação desde o mês de fevereiro. O Gerente da Infosolo, Ivan Moreira afirmou que um projeto já está em andamento para construir os abrigos para mototaxistas e taxistas. O sistema de cobrança pode ser alterado e está em estudo a possibilidade de que os minutos que o cliente não gastou seja revertido em crédito mas nada definido ainda.