Estado

Foto: Conexão Tocantins CTB e diretoria de Sindicato alegam más condições de trabalho CTB e diretoria de Sindicato alegam más condições de trabalho

O Sindicato dos Açougueiros do Tocantins vai encaminhar nesta segunda-feira, 27, denuncia formalizada acusando situações degradantes de trabalho num supermercado da capital. O presidente do Sindicato, Jairo Messias Ribeiro e demais diretores informaram ao Conexão Tocantins que os profissionais que trabalham nos açougues da rede de supermercados e ainda na manipulação de carne e alimentos não tem local adequado para descanso.

O Sindicato tem centenas de filiados e averiguou as condições de trabalho em vários estabelecimentos.  “Muitos não tem local adequado para descanso, geralmente feito em local improvisado. A assessoria jurídica vai levar o caso ao Ministério do Trabalho”, alegou o presidente. O nome do Supermercado não foi revelado pelo Sindicato que fez a denuncia de maneira sigilosa.

Conforme informado, com a ausência de sala de descanso, os funcionários da empresa têm como única alternativa em suas horas de descanso entre as refeições deitar-se ao chão com papelões ou descansar, improvisadamente, em cadeiras, até mesmo sentados nas calçadas, no piso frio dos corredores, num ambiente úmido e degradante o que, segundo o presidente do sindicato, caracteriza uma situação humilhante e indigna para o funcionário. Na empresa em questão trabalham 15 trabalhadores na situação citada.

“Se a empresa quer que o funcionário trate os clientes de maneira humana, ela precisa humanizar as condições de trabalho”, diz o presidente. A direção do estabelecimento, segundo o presidente do sindicato, chegou a estimar um prazo para implantar a sala de descanso, porém até o momento não houve nenhum avanço.

A Central dos Trabalhadores do Brasil no Tocantins (CTB-TO) acompanha o caso e o presidente Antonildo Alexandre disse ao Conexão Tocantins que situações como esta mostram a necessidade de mais respeito aos trabalhadores. “O trabalhador precisa ser respeitado e não pode simplesmente não ter sequer um local para descansar. Estamos atentos a essa situação e acompanhando esse impasse”, disse.