Economia

Foto: Divulgação

No primeiro dia de greve 70% das agências bancárias ficaram de portas fechadas no Tocantins. A greve iniciou nesta terça-feira, 6, em todo Brasil e segue por tempo indeterminado. Ao total são 158 agências no Estado, sendo que 111 ficaram de portas fechadas. Em alguns municípios todas as agências foram fechadas, como o caso de Araguaína.

Neste ano a categoria reivindica reajuste salarial de 14,78%, que representa o INPC projetado de 9,31% mais 5% de aumento real. No fim da tarde de hoje a Federação Nacional dos Bancos marcou reunião com os sindicatos para retornar as negociações na próxima sexta-feira, 9, às 11h em São Paulo.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Tocantins (SINTEC-TO), Crispim Batista Filho, explicou que devido ser o primeiro dia de greve e véspera de feriado, muitos bancários ainda estão se organizando, mas a adesão já foi significativa.

“A mobilização com a categoria é para todos aderirem e por ser o primeiro dia, sem dúvida já foi positiva”, afirmou o presidente. Se considerarmos a quantidade de funcionários o alcance da greve é bem maior que 70%, considerando que uma única agência das cidades maiores como Palmas e  Araguaína corresponde muitas vezes ao triplo ou até mais de um banco do interior”, destacou o presidente.

A diretoria do SINTEC-TO esteve reunida ainda no fim desta tarde para fazer o balanço do primeiro dia de paralisação. Foi discutida ainda a organização e como as ações que serão desenvolvidas nos próximos dias.  A avaliação feita foi positiva.

Outras reivindicações

Os bancários ainda reivindicam auxílio alimentação, participação nos Lucros ou Resultados (PLR) equivalente a 15% do lucro líquido do exercício de 2016, mais saúde e segurança, combate ao assédio moral, isonomia nos bancos públicos dentre outras.

Por: Redação

Tags: Crispim Batista Filho, Fenaban, Sintec