Educação

Foto: Divulgação

Em assembleia geral realizada nessa quinta-feira, 10 de novembro, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet) decidiu pela suspensão da greve da rede estadual de ensino. A educação deliberou por assinar o Termo de Acordo que trata do pagamento da data-base encaminhado pelo Governo do Estado. 

O governo propôs o pagamento de 2% da data-base em janeiro de 2017, 2% em maio de 2017 e 5,83% em setembro de 2017; o passivo da data-base 2015 a ser pago no ano de 2017 e redução da carga horária de trabalho de 40 para 30 horas (sendo 6 horas corridas). Segundo o Sintet, quanto ao passivo do retroativo da data-base 2016, as negociações ficam em aberto.

A categoria está em greve a mais de 90 dias e também na assembleia de ontem que as aulas devem ser retomadas na próxima quarta-feira, 16, após o pagamento dos servidores públicos estaduais. O Sintet já notificou a secretária estadual de Educação, Wanessa Zavarese Sechim, sobre a suspensão do movimento e solicitou ainda uma audiência para tratar do calendário de reposição. 

De acordo com o presidente do Sintet, José Roque Santiago, se o governo não cumprir o acordo proposto a greve pode ser retomada. “A greve está suspensa até o cumprimento integral da proposta apresentada pelo governo, desde que não haja perseguição e ou qualquer tipo de retaliação no pós-greve aos trabalhadores e trabalhadoras”, afirmou José Roque.

Manifesto nacional 

Os trabalhadores da educação devem participar nesta sexta-feira, 11, das manifestações do Dia Nacional de Greve, organizado pela Frente Brasil Popular e centrais sindicais, em protesto contra a PEC 55, também conhecida também como PEC da maldade. Os protestos acontecem durante todo o dia em todo País. 

A educação deliberou ainda sobre os seguintes encaminhamentos:

Pela judicialização da pauta financeira da categoria (passivos); Calendário de reposição unificado; Calendário de reposição deve ser aprovado pelo Conselho Estadual de Educação; Início do ano letivo de 2017 só a após conclusão do ano letivo de 2016;  Devolução do dinheiro referente ao corte de pontos efetivado de forma ilegal na Operação Tartaruga.