Campo

Foto: Jodevaldo Pereira

Com um rebanho bovino de quase 8 milhões de cabeças o Estado do Tocantins se destaca na pecuária de leite e de corte. A alimentação adequada desses animais é fundamental para que se tenha uma boa produtividade.

O suplemento alimentar bovino foi tema de palestra durante o Seminário Agropecuário do Colégio Agrícola Dr. José de Sousa Porto, em Pedro Afonso. Na palestra ministrada pelo pesquisador da Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, Cláudio França Barbosa foi destacada a importância de priorizar as pastagens como fonte de alimentação do gado, e de desenvolver estratégias de produção de alimentos para o animal consumir durante o período de seca. “O pecuarista pode introduzir a silagem, a cana de açúcar e resíduos de indústrias de alimentos como soja e milho. É preciso se organizar para adquirir alimentos concentrados, como sais minerais e outros suplementos,” afirmou Cláudio França Barbosa.

Outro assunto abordado no Seminário foi a cultura do milho. Segundo o professor e pesquisador da UFT – Universidade Federal do Tocantins, Aurélio Vaz de Melo, o Estado tem grandes possibilidades de expansão da cultura. “Nós precisamos desenvolver cultivares com características próprias para a região”, explicou o professor. Ele apresentou uma pesquisa em parceria com a participação dos alunos do Colégio Agrícola de Pedro Afonso que estuda uma variedade de milho que melhor se desenvolve no Estado.

“Nós montamos junto com os alunos experimentos com mais de 50 cultivares diferentes para saber qual delas mais se adapta as condições de solo e clima da região, inclusive com mais tolerância à seca. Queremos produzir sementes que realmente atenda as necessidades do produtor Tocantinense”, Aurélio Vaz de Melo.

Já o represente da região norte da empresa Pioneer, especializada em comercialização de sementes de milho e soja, Carlos Garcia de Moraes disse ao ministrar palestra sobre a cultura do milho, que para se ter boa produtividade é importante que se faça um manejo técnico correto. “O produtor precisa trabalhar a fertilidade do solo, controle de pragas, plantar no tempo certo, usar o espaçamento adequado entre uma planta e outra, utilizando a quantidade de água necessária que a lavoura precisa para se desenvolver”, orientou.

O Seminário Agropecuário é promovido pelo Colégio Agrícola de Pedro Afonso, gerido pela Secretaria da Ciência e Tecnologia, e foi realizado nos dias 22 e 23 de maio.