Economia

Foto: Lia Mara Paulo Massuia é secretário da Indústria e Comércio do Tocantins Paulo Massuia é secretário da Indústria e Comércio do Tocantins

Desde o mês de novembro, tiveram início as obras de ampliação do Porto de Itaqui, localizado em São Luiz – Maranhão. Com a obra, a previsão é de aumentar, de 500 mil para 5 milhões de toneladas, a capacidade do Tegram - Terminal de Grãos do Maranhão em 2016. Em 2019, serão 10 milhões de toneladas e em 2021, a expectativa é 84 milhões. Para o Tocantins será um ganho muito grande, já que beneficia a logística de transporte da soja, principal produto de exportação do Estado. 

A produção tocantinense é escoada através da Ferrovia Norte Sul para o Porto. Apenas o pátio de Colinas/Palmeirante tem previsão de movimentar 1 milhão de toneladas em grãos. Esse número pode ser cinco vezes maior com o Tegram mais extenso. “Essa notícia nos dá uma alegria muito grande, uma vez que precisamos dessa ampliação. Isso irá incentivar o produtor rural que queira se instalar no Tocantins”, ressalta Paulo Massuia, secretário da Indústria e Comércio. Também existe a previsão de escoar a produção tocantinense para os três portos de Belém – Pará, pois a presidente Dilma Rousseff já informou da concessão da Ferrovia ligando Açailândia – Maranhão à capital paraense. 

Ainda conforme o secretário, a soja tocantinense será mais competitiva em relação à produzida nos estados do centro-oeste, sul e sudeste. “Ao passo que a carga tocantinense de grãos demora cerca de dois dias de Ferrovia para chegar ao porto, se ela for descer para o Paraná e São Paulo irá demorar sete dias. Então o produtor do Tocantins irá ganhar mais com a saca de soja do que os outros”, explica. A economia de milhas náuticas vai girar em torno de 30% a 40%, além de baratear o custo da importação de fertilizantes e demais insumos agrícolas. (Secom)