Estado

A deputada Professora Dorinha (Democratas/TO) recebeu com grande pesar a notícia da morte do professor Arione Pereira Leite, da Escola Municipal Aurélio Buarque, do Jardim Aureny I, em Palmas, nesta sexta-feira, 11. A suspeita é de crime homofóbico.

“É muito triste e revoltante em saber que há pessoas que são assassinadas pelo simples fato de ser quem elas são. Mais triste ainda é saber que, nas vésperas do Dia do Professor, um educador teve a sua vida tirada de forma tão brutal”, disse a parlamentar.

Dados

Segundo relatório da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, o Tocantins registrou, em 2012, um aumento de 142% no número de denúncias de crimes homofóbicos. Foram registradas 33 violações relacionadas à população LGBT (sigla para lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros).

Conforme consta no relatório, o mês com maior número de denúncias foi julho de 2012, com quatro assassinatos em razão da orientação sexual da vítima. Acredita-se que o número possa ser bem maior, uma vez que a maioria dos casos de violência contra homossexuais não é denunciada pelas próprias vítimas ou familiares pelo receio da exposição.

Seduc

Além de Dorinha o secretário Estadual de Educação, Danilo de Melo também encaminhou nota de pesar. "É com grande pesar que recebo a notícia do falecimento do professor Arione Pereira Leite, servidor da rede municipal de ensino de Palmas, que de forma brutal teve sua vida tirada na madrugada de hoje. Profissional com o qual tive a oportunidade de conviver  e que durante anos dedicou, de forma competente, ao ofício de ensinar", afirmou o secretário em nota. "Desejo o conforto de Deus aos familiares e amigos neste momento de grande tristeza", completou.