Campo

Foto: Washington Luiz

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) em parceria com a Secretaria de Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro) realizam nesta quinta e sexta-feira, 07 e 08, a “Oficina de Trabalho para o Mapeamento e Análise da Cadeia de Valor das Plantas Medicinais e Fitoterápicos”. O evento acontece a partir das 8h, no Hotel Girassol Plaza, em Palmas.

O mapeamento das cadeias tem o objetivo definir diretrizes para uma segunda etapa de um projeto que visa à elaboração de Plano de Ação Estratégico. “Plano que se baseia nos parâmetros de sustentabilidade econômica, social e ambiental e a orientação e a formulação de políticas públicas, para o aprimoramento do processo de gestão no setor de Plantas Medicinal e Fitoterápico das cadeias mapeadas”, esclarece a gerente de sociobiodiversidade da Seagro, Dilciane Barbosa.

O objetivo é construir, junto com os participantes, os Mapas das Cadeias de Valor a partir da análise dos gargalos e das oportunidades apontados por eles. “Vamos selecionar uma ou duas espécies de plantas medicinais e fitoterápicas, (cidreira, guaco, capim santo, malva do reino, babosa, óleo de pequi, buriti, macaúba e sucupira, entre outros) com potencial de mercado para o Tocantins, para estudar cadeia de valor, desde a produção até a comercialização”, explica a gerente acrescentando que a oficina já está com todas as vagas preenchidas pelas instituições envolvidas.

Oficina de Trabalho

O evento é uma atividade do Projeto de Fortalecimento da Gestão da Agricultura Familiar em Plantas Medicinais e Fitoterápicos, resultado de uma articulação entre a Fiocruz, o MDA e a Secretaria da Agricultura, com vistas à promoção da saúde e a inclusão produtiva, por meio do fortalecimento da gestão da base produtiva em plantas medicinais e fitoterápicas, com foco na agricultura familiar, para apoio ao Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos.

Participantes

O evento envolve a participação de instituições de toda a região Norte do Brasil, com presença de empresas de comercialização, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), representantes de associações de mulheres extrativistas e agricultores familiares tocantinenses, todas as universidades do Tocantins, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Instituto de Desenvolvimento Rural (Ruraltins), Instituto Federal (IFTO), entre outras.