Campo

Foto: Juliano Ribeiro Cultivo com o pivô central é uma técnica que controla o uso da água e, consequentemente alcança ótima produtividade Cultivo com o pivô central é uma técnica que controla o uso da água e, consequentemente alcança ótima produtividade

A produção de feijão no Tocantins é pequena se comparada à soja, milho e arroz. Nas duas últimas safras se manteve estável, tanto na produção quanto na área plantada, mas a expectativa de produção da segunda e terceira safras é mais otimista, tendendo a crescer de acordo com as condições climáticas em 2017.

Para o ano agrícola 2016/2017 a estimativa da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é de plantio de área de 22 mil hectares e produção de 23 mil toneladas. O Tocantins as espécies cultivadas são o comum (carioca) e caupi, sendo que este último, as variedades mais cultivadas são vinagre, fradinho e coruja. O caupi é exportado, principalmente a variedade fradinho, para o estado da Bahia.

O feijão é cultivado nas regiões: Centro-Norte, Várzeas e Norte, com destaque para os municípios de Miracema, Pedro Afonso, Santa Maria do Tocantins, Fortaleza do Tabocão, Guaraí, Formoso do Araguaia, Dueré, Lagoa da Confusão, Araguaína e Colinas do Tocantins.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Seagro, Anderson Pereira metade do território do Estado possui potencial para a agropecuária. “As condições de clima, solo, água, luminosidade e topografia plana, o que favorece o processo de mecanização agrícola são favoráveis para a produção de grãos, fruticultura e pecuária”, reforça.

Experiências

O agricultor de Miracema, Antônio Ponte Ramos, investe no plantio do feijão comum variedade gol, considerada uma das mais produtivas. Na safra passada cultivou 60 hectares, colhendo 1.200 quilos por hectares e uma produção total de 72 toneladas. O feijão da sua propriedade é exportado para o estado do Paraná.

Nesta safra o produtor pretende expandir para 70 hectares utilizando o sistema de plantio pivô-central. “Além do manejo adequado e das boas práticas, utilizo o pivô central, pois é uma técnica que podemos controlar o uso da água e, consequentemente alcançar uma ótima produtividade”, destacou.

Já o produtor Luiz Gilberto Ramos, cultiva o feijão caupi das variedades Pingo de Ouro e Sempre Verde há muitos anos, no município de Pedro Afonso. Ele costuma plantar no final de março e colhe final de maio. No último cultivo plantou 300 hectares, colhendo 360 toneladas. Na próxima safra em março de 2017, pretende expandir para 500 hectares. “É um produto muito aceito, principalmente no mercado do Nordeste. O feijão é todo comercializado para esta região”, destacou.