Cultura

Foto: Márcia Moreira

A reinauguração da Casa do Melck no próximo dia 18 de março (sexta-feira) promete agitar a noite da capital tocantinense. O espetáculo escolhido é algo que não se assemelha a nada que a cidade tenha visto ainda. Será uma dúvia de percussionistas das escolas de samba carioca reunidas no palco para, em ritmo de escola de samba, interpretar canções de um dos maiores compositores brasileiros: Chico Buarque de Holanda. A gloriosa tarefa, ficará por conta do competente grupo musical Mulheres de Chico.

Elas não se chamam Beatriz, Carolina, Ana, Bárbara, tampouco Geni, figuras femininas eternizadas nos versos de Chico Buarque. Mas nem por isso Gláucia, Flavia,Vivian, Mônica, Manu, entre outras, deixam de ser as Mulheres de Chico, grupo feminino de percussão que se uniu no carnaval de 2006, no Rio de Janeiro, para fazer uma releitura do universo musical criado pelo compositor carioca, interpretando suas canções dentro de uma estética inusitada, com destaque para a formação instrumental tradicional das Escolas de Samba.

As artistas escolheram o autor de A banda e Samba de Orly justamente por ele ser conhecido como o poeta que expressa e entende como ninguém a alma feminina e a malandragem carioca. No repertório delas, clássicos como Cotidiano, Feijoada completa, Piano na mangueira, Geni e o zepelim entre outros, com arranjos que exploram ritmos nacionais diversos, como o samba, o ijexá, o coco, o jongo, a marchinha e o funk carioca. Além dessas canções, há músicas autorais como Será que o Chico vem? ou Marchinha das mulheres, todas com alusões ao compositor e às suas letras. “A gente toca canções que tratam de alegria, tristeza, dramas, malandragem carioca, alma feminina. Todo mundo acaba se identificando muito com o universo dele”, destaca Gláucia Cabral.

A nova Casa do Melck

A Casa do Melck está voltando, agora como uma casa de shows, com 126 mesas fixas, oito camarotes vips para 10 pessoas cada, sonorização e iluminação profissional e os espetáculos de boa qualidade que marcaram a sua primeira fase, sempre escolhidos à dedo pelo jornalista e produtor cultural Melck Aquino, e pela sua esposa, Juliana Arraes. Inicialmente a casa funcionará todas sexta, sempre com uma atração local e outra nacional, com rodízio de shows em gêneros diversos, tais como MPB, samba de raiz, sertanejo, pop/rock, forró pé de serra, blues e música regional.

A inauguração está marcada para o dia 18 de março, a partir das 22h, no espaço onde funcionava a Eventus Hall, na Av JK, esquina com a rua que dá entrada para a 112-Sul.

Para esta primeira noite de espetáculos, que pela progrmação promete movimentar os finais de semana dos moradores da capital, os frequentadores serão recebidos por um show acústico com artistas locais, organizado pelo jornalista Tião Pinheiro e que leva o singelo nome de “Abacateiro” (todos saberão o motivo do nome durante o show). E, logo depois, as Mulheres de Chico invadem o palco com todo o molejo carioca.

Os ingressos e as mesas já estão à venda na Overend, no 2o Piso do Palmas Shopping e na Via Uno, do Capim Dourado Shopping. Portadores do cartão do assinante do Jornal do Tocantins podem comprar até dois ingressos meia ou levam uma mesa com 25% de desconto.

Fonte: Assessoria de Imprensa