Saúde

Foto: Divulgação

O presidente do Sindicato dos Médicos, Hilton Mota informou ao Conexão Tocantins nesta sexta-feira, 1º, que o secretário de Saúde, Nicolau Esteves se comprometeu a resolver os principais problemas com relação ao centro cirúrgicos do Hospital Geral de Palmas mas ainda não há um prazo para isso.

Falta até água nos centros cirúrgicos, segundo informou o Simed. “O secretario informou que vai resolver problema da falta de água hoje mas a equipe médica continua muito preocupada com toda esta situação. Nossa preocupação é porque isso não vem de ontem, isso já vem há muito tempo”, salientou o presidente.

As cirurgias eletivas que estão paralisadas desde o início da semana devem ser retomadas o mais breve possível. Segundo o Simed a demanda de urgência destas cirurgias é de 3500 procedimentos nas mais variadas áreas o que pode chegar a 5 mil no total das especialidades. “Os procedimentos cirúrgicos serão retomados mas falta leito, falta material e a instabilidade continua”, frisou.

A Sesau tenta manter a estabilidade e a normalidade no funcionamento dos hospitais que eram geridos pela Organização Social Pró-Saúde mas além dos problemas estruturais o impasse no número de funcionários também é outra questão que começa a surgir. O governo vai retomar a gestão dos hospitais depois da experiência frustada com a terceirização.

Produtividade

Outro impasse que incomoda os médicos é o atraso no pagamento da produtividade aos profissionais. Este assunto também foi discutido com o secretário Nicolau que deve resolver o impasse em uma semana. “ Todos os médicos estão com a produtividade atrasada, desde Arraias a Tocantinópolis. São quatro meses sem pagar e nós sabemos que nos médicos tem seus compromissos e obrigações familiares”, conta o presidente do Simed.