Geral

Foto: Imagem ilustrativa

Muitas vítimas de violência sexual não sabem o que fazer no momento de desespero. O Hospital e Maternidade Dona Regina disponibiliza o Serviço de Atenção Especializado às Pessoas em Situação de Violência Sexual (Savis) que conta com uma equipe de médicos, psicólogos, enfermeiros, assistentes sociais e farmacêuticos.

Para a Coordenadora do Savis, Zelma Moreira da Penha, a pessoa que sofre violência deve procurar o serviço de saúde especializado para receber medicação e assim evitar a contaminação de algumas doenças sexualmente transmissíveis - DST’s e HIV, no período máximo de 72 horas (três dias). Já a pílula de emergência para evitar gravidez é administrada no período de até cinco dias. “Importante ressaltar que a vítima deve buscar o quanto antes o serviço para a medicação ter maior eficácia,” disse.

De acordo ainda com Zelma, a pessoa que sofreu violência sexual não deve tomar banho antes de procurar o atendimento para não apagar os vestígios. Zelma ressalta que qualquer pessoa que foi violentada, mesmo que tenha sido há muito tempo, mas ainda causa sofrimento, pode procurar ajuda de um profissional especializado no serviço de atenção.

A mulher que tenha sido violentada e não teve acesso ao serviço de atenção no período indicado tem o direito de realizar o aborto previsto em lei, que poderá ocorrer em até vinte semanas de gravidez.

Como protocolo no Hospital e Maternidade Dona Regina, todos os profissionais admitidos na unidade participam de um curso de 30 horas sobre o Savis.

Dados

Em 2013, foram atendidas pelo SAVIS 150 pessoas sendo 19 - 0 a 09 anos;  92 - 10 a 19 anos; 39 - 20 anos ou mais; e destes ainda 5 pessoas eram do sexo masculino. (Ascom Sesau)