Campo

Os trabalhos de mapeamento da soja realizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nas lavouras dos estados do Piauí e no Maranhão também ocorrem em Tocantins. No Estado, os técnicos da companhia percorreram nesta semana as regiões produtoras dos municípios de Darcinópolis, Babaçulândia, Itapiratins, Pedro Afonso, Caseara, Novo Acordo, Lizarda, Dianópolis, Alas, Santa Rosa do Tocantins,  Cariri do Tocantins além da capital, Palmas.

O objetivo das visitas é realizar o mapeamento da safra 2021/22 da cultura da soja, ao identificar as lavouras da oleaginosa em espaço amostral definido por sorteio aleatório, seguido de metodologia específica. As principais informações colhidas são o registro e a localização geográfica dos cultivos de soja, a identificação das culturas e as fases do seu desenvolvimento, entre outros, a fim de validar o mapeamento prévio realizado por imagens de satélite.

“O mapeamento acontece também no Maranhão, Piauí e Bahia, abrangendo assim a produção do grão no Matopiba. A atividade faz parte do trabalho da Conab realizado em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) com o objetivo de mapear a soja cultivada em todo o país de forma a aprimorar os dados utilizados nas estimativas de safra da estatal”, explica a superintendente regional da Conab em Tocantins, Halana Santana Lima.

A operação iniciada nesta semana é uma das quatro etapas previstas da pesquisa no Estado. As próximas etapas a serem realizadas devem ocorrer nos meses de fevereiro e março deste ano. 

A Conab já desenvolve o mapeamento de 98% da área total de produção do País, a partir de análises do sensoriamento remoto comprovadas por verificações presenciais.