Polí­cia

Registro de ocorrência pode ser feito sem sair de casa, por meio da Delegacia Virtual

Registro de ocorrência pode ser feito sem sair de casa, por meio da Delegacia Virtual Foto: Luiz de Castro

Foto: Luiz de Castro Registro de ocorrência pode ser feito sem sair de casa, por meio da Delegacia Virtual Registro de ocorrência pode ser feito sem sair de casa, por meio da Delegacia Virtual

Dados do Núcleo de Coleta e Análise Estatística (Nucae) da Secretaria de Segurança Pública do Tocantins (SSP-TO) mostram que somente nos primeiros 14 dias do mês de janeiro houve um aumento nos crimes de uso de falsa identidade em meios cibernéticos, se comparado ao mesmo período de 2020. Cinco pessoas já registraram Boletins de Ocorrência dando conta que foram vítimas desse tipo de golpe. Em todo o mês de janeiro de 2021 foram registrados apenas quatro casos.

Diante desse cenário, a Polícia Civil do Tocantins recomenda medidas preventivas que aumentam as chances de não cair nos golpes do ambiente virtual. No crime de falsa identidade, por exemplo, os criminosos se passam por parentes ou amigos para pedir que sejam feitos depósitos em contas bancárias indicadas por eles.

O delegado-chefe da 1ª Divisão Especializada de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC-Palmas), Lucas Brito, destaca que importante jamais compartilhar o código de registro de seis dígitos e proteger as informações ativando a confirmação em duas etapas, no caso do aplicativo WhatsApp.

“Também é importante permitir que apenas seus contatos vejam a foto de perfil e sempre desconfiar de mensagens com solicitações de dinheiro, ainda que sejam de pessoas próximas. Nesses casos, orientamos ligar para a pessoa e confirmar a solicitação antes de realizar qualquer transferência”, explicou o delegado.

Golpe no Instagram

Outro golpe que têm feito vítimas ocorre no aplicativo Instagram. Após invadirem contas, criminosos anunciam TVs, geladeiras, celulares e outros produtos por preços muito atrativos. Às vezes a publicação é feita em nome de um suposto parente que está de mudança e precisa vender os itens.

O delegado Lucas Brito explica que as orientações valem para todo o ambiente virtual e que é necessário redobrar a atenção em relação aos links recebidos por email e sms ou qualquer anúncio de vendas de produtos com valores muito abaixo do mercado.

“Escolher uma senha forte e mudar regularmente; jamais informar senha ou códigos de acesso a terceiros; e sair do aplicativo sempre que usar computadores compartilhados também aumentam as chances de não cair em golpes.”, reforça.

Saiba como denunciar

Para denunciar estes tipos de crimes, a vítima deve acessar a Delegacia Virtual e registrar o Boletim de Ocorrência,  acrescentando prints ou qualquer prova existente, como e-mail, endereços de URL das redes sociais, etc.

O delegado Lucas Brito explica que cada caso é investigado de acordo com suas especificidades e orienta que as vítimas busquem a Vara Cível ou o Juizado Especial Cível para solicitar o ressarcimento dos valores perdidos, já que a Polícia Civil apura apenas a responsabilidade criminal.

“Para recuperar contas é preciso acessar o suporte oferecido pelos próprios aplicativos. Após isso, a pessoa pode procurar a Polícia Civil para o registro, a fim de que o autor seja identificado e responsabilizado pelo delito de falsa identidade, cometido em desfavor da vítima que teve o perfil invadido, ou por estelionato na modalidade fraude eletrônica, praticado contra a pessoa que transferiu alguma quantia para o golpista”, explica.

Outros dados

Em todo o ano de 2021 foram registrados 29 crimes de falsa identidade, 12 casos de apropriação indébita e 1.689 estelionatos, todos praticados em ambientes virtuais. (SSP/TO)