Polí­tica

Foto: Divulgação

Na tarde desta quarta-feira (9/5), o pleno do Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins julgou o Demonstrativo de Regularidade dos Atos Partidários (DRAP) da Coligação Reconstruindo o Tocantins (PDT/PEN/PSD/AVANTE/PSC), da candidata a governadora Kátia Regina Abreu (PDT) e do vice Marco Antônio Costa; e o do Diretório Estadual Rede Sustentabilidade, que tem por candidato a governador Márlon Jacinto Reis (Rede) e Edvan de Jesus Silva, vice-governador. 

O tribunal decidiu, por unanimidade, nos termos do voto do relator, pelo deferimento dos pedidos formulados pela Coligação Reconstruindo o Tocantins e Diretório Estadual Rede Sustentabilidade, declarando-os habilitados para concorrer na Eleição Suplementar 2018, para os cargos de Governador e Vice-Governador do Estado do Tocantins.

O DRAP é um formulário que contém o conjunto de informações relevantes para validar o registro das candidaturas das coligações e partidos. O demonstrativo aponta a data em que a convenção foi realizada, os gastos máximos a serem utilizados pelas coligações na campanha eleitoral, os percentuais de sexo feminino e masculino e a relação dos candidatos que irão concorrer nas eleições, tudo devidamente registrado em ata.

Registro de Candidatura

Os pedidos de registros dos candidatos da Coligação Reconstruindo o Tocantins e do Partido Rede Sustentabilidade ainda não foram julgados pela Corte Eleitoral. O TRE-TO tem até o dia 18 de maio para julgar todos os pedidos de registros de candidatura para as Eleições Suplementares.