Polí­tica

Foto: Gerdan Wesley

Em pesquisa divulgada na quinta-feira, 21, mostra que 61% dos brasileiros têm o hábito de jogar fora comida em perfeitas condições de consumo. Os motivos são os mais variados, entre eles a falta de planejamento na hora de fazer as compras, a armazenagem incorreta e o costume de colocar alimentos em excesso no prato. “É um problema cultural, que precisa ser encarado com a maior seriedade”, afirmou o senador Ataídes Oliveira (PSDB/TO), autor de projeto que cria a Política Nacional de Combate ao Desperdício e à Perda de Alimentos.

Ataídes cita outros dados alarmantes: cerca de 26 milhões de toneladas de alimentos vão parar no lixo a cada ano; apesar de ser o quarto produtor mundial de alimentos, o Brasil também é um dos campeões globais em desperdício, 64% do que plantamos é perdido ao longo da cadeia de produção e consumo, segundo a Embrapa.

Fome

“O mais grave é que mais de 7 milhões de brasileiros passam fome ou são subalimentados, segundo o IBGE. Se essa montanha de frutas, verduras e outros alimentos jogados fora fosse destinada a doações, não haveria tanta gente sem comida no prato”, lamentou o senador.

Foi com essa preocupação que o senador apresentou o PLS 672/15, já aprovado no Senado. O projeto, hoje em tramitação na Câmara com o número PL 6898/17, obriga supermercados, padarias, restaurantes e outros estabelecimentos que comercializam alimentos a se responsabilizarem pelo destino final do que não é vendido. Produtos em perfeitas condições para consumo humano devem ser doados para entidades sociais; os demais devem ser encaminhados para compostagem ou fabricação de ração animal. O texto acabou sendo ampliado para a criação de uma política nacional de combate ao desperdício