Campo

Foto: Delfino Miranda

Com o objetivo de pleitear o status de zona livre da doença do Mormo, o Tocantins se juntou na semana passada aos demais estados da região Norte e Nordeste para alinhar as ações de prevenções, controle e erradicação da zoonose, conforme prevê a Instrução Normativa (IN) nº 06/2018, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O Estado precisa estar há 3 anos sem a presença de casos confirmados da doença para buscar o pleito.

O encontro com representantes dos programas estaduais de sanidade equídeas e das superintendências federais destes estados aconteceu em Recife/PE, promovido pelo Mapa. Na reunião técnica ficaram definidas algumas diretrizes que os estados precisam cumprir para alinhar as politicas de sanidade equídea, e assim, buscar o pleito de zona livre do Mormo junto a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“Estamos empenhados em dar continuidade ao trabalho de erradicação do Mormo no Tocantins e buscarmos neste encontro com os demais estados da federação, o status de zona livre da doença,” disse o presidente da Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins, Alberto Mendes da Rocha.      

O responsável técnico pelo Programa Estadual de Sanidade dos Equídeos da Adapec, Raydleno Mateus Tavares, disse que entre as diretrizes que o Tocantins começará a trabalhar estão: a atualização do cadastro de todos os equídeos no Estado; estudo de caracterização epidemiológica do Mormo e realização de um inquérito soroepidemiológico. “Além disso, a Adapec continua realizando rotineiramente as vigilâncias ativas, fiscalizações de trânsito e investigações de casos suspeitos”, destacou Raydleno.

No Tocantins todos os focos de Mormo existentes nas propriedades foram eliminados pela Adapec, sendo que o último registro de caso positivo ocorreu em 22 de novembro de 2017. Caso não ocorra nenhum registro da doença até novembro de 2020, o estado estará pronto para buscar a certificação. “Por isso, a participação dos produtores rurais na movimentação do rebanho de equídeos e nos cuidados com a doença é fundamental para este pleito de zona livre da zoonose”, ressaltou Alberto.      

Dados

O Tocantins conta com um rebanho de 271,9 mil equídeos. Um dado positivo sobre a doença no Tocantins é que até junho deste ano foram realizados pelos laboratórios oficiais do Mapa apenas 30 exames de Mormo, enquanto em 2017 foram realizados 538 exames da doença.

O Brasil é o único País do mundo com rebanho significativo de equídeos onde a doença do Mormo ainda não foi erradicada.