Polí­tica

 Ciro Gomes e Kátia Abreu durante evento em Palmas

O candidato à presidência da república pelo PDT, Ciro Gomes, esteve nesta sexta-feira, 24, em Palmas a convite de sua vice, a senadora Kátia Abreu (PDT). No evento o candidato apresentou propostas e recebeu sugestões de representantes de setores da economia no Tocantins, como indústria, comércio e agronegócio para seu plano de governo.

Ciro prometeu priorizar o Tocantins e a região do Matopiba - fronteira agrícola que compreende Tocantins, Maranhão, Piauí e Bahia. O candidato também fez críticas ao adversário Jair Bolsonaro (PSL) e chamou a candidatura de Lula de fraude.

A respeito de Bolsonaro, Ciro disse que o adversário se aproveita do sentimento de frustração da maior parte dos brasileiros sem apresentar nenhuma proposta efetiva de governo. “O Jair não representa nenhuma proposta, ele representa a negação de nosso povo pela política nacional que apodreceu”.

Ciro também ironizou uma das “propostas” mais polêmicas do candidato do PSL, que é a liberação do porte de armas, ao citar um episódio ocorrido em 1995 no qual o então deputado federal Jair Bolsonaro foi assaltado no Rio de Janeiro e teve sua arma, uma Glock 380, levada pelos bandidos. “Ontem ele tava defendendo o porte de armas, mas veja bem, ele é um capitão do exército treinado na Academia Militar das Agulhas Negras e andava no Rio de Janeiro com uma pistola. Foi assaltado e entregou a arma pro assaltante, arma essa que deve ter sido usada para matar alguém mais à frente”, comentou.

O presidenciável também questionou a capacidade - ou falta dela -  de Bolsonaro para formular um projeto de governo para a economia e disse que o economista Paulo Guedes - o cérebro de Bolsonaro - apesar de respeitável, tem uma visão liberal de mercado que pode acabar com o principal segmento econômico do Brasil, o agronegócio. “O Paulo Guedes tem uma visão de economia do Brasil que em 12 meses acaba o agronegócio. Ele é a favor do fim do subsídio porque os liberais acham que o subsídio distorce o capitalismo. Ora, o Brasil tem a maior taxa de juros do mundo. Imagina se você acaba com o subsídio! em 12 meses o agronegócio acaba porque não tem agricultura que pague 41% de taxa de juros”.

Lula

Sobraram críticas também para Lula (PT). Para Ciro a candidatura do petista é uma fraude que pode gerar um grande sentimento de frustração entre os eleitores, em breve.

Para Ciro, ao manter a candidatura de Lula, a cúpula do PT estaria criando uma espécie de embuste para que os eleitores acreditem que o ex-presidente, líder nas pesquisas, possa realmente se candidatar, apesar da condenação judicial que o levou à prisão.

“O que a cúpula do PT tá fazendo é uma espécie de fraude. Pela lei o Lula não é candidato e a cúpula do PT agita candidatura do Lula para explorar a boa fé do povo. Daqui a pouco haverá grande frustração porque ele vai ser declarado inelegível”, declarou.

Propostas

Após as críticas, Ciro falou sobre suas propostas. Apresentou Kátia Abreu como a pessoa mais preparada para liderar as políticas de governo voltadas para o agronegócio e logística e que, caso eleitos, a vice-presidente é que irá orientá-lo nas tomadas de decisão voltadas para o setor.

Sobre o desenvolvimento econômico da região do Tocantins e do Matopiba o candidato disse que a demanda mais urgente é a infraestrutura de transportes. Segundo ele, a falta de logística provoca perda de renda e desperdícios no transporte de cargas desde a região norte e nordeste até o sul do país, onde fica o porto de Paranaguá (PR).

“Eu quero fazer com que a Ferrovia Norte-Sul cumpra o papel estratégico para o qual ela foi imaginada. Como só tem uma empresa explorando, o frete não é mais eficiente. É preciso estimular que o direito de passagem seja praticado para que haja um frete mais barato. Mas, mais que isso, é preciso fazer todo o entorno logístico, concluindo e conectando a Transnordestina e terminando a Leste-Oeste que está parada. Esse conjunto de coisas mais a duplicação das rodovias vai fazer com que isso aqui exploda em produção e emprego. A Kátia é que vai mediar pra mim todas estas questões referentes ao agronegócio a logística e a sede do Matopiba”.

Ele reforçou a proposta de tirar as famílias brasileiras endividadas dos cadastros de proteção ao crédito e comentou sobre medidas de retomada do crescimento da economia e criação de pólos de produção no país para os mais diversos setores. “Superar o endividamento das famílias, ajudando 63 milhões de brasileiros que estão com nome sujo, as pessoas acham que isso é uma proposta isolada, isso é um projeto. Restaurar a condição de competição no mercado financeiro para que se restaure a condição de financiamento empresarial que hoje está colapsada. Consertar a conta pública para restaurar a capacidade de investimento do setor público que foi perdida ao longo desses últimos anos. E por fim, retomar uma ideia de política industrial e comércio exterior em grandes complexos em que o Brasil pode ter protagonismo mundial gerando milhões de empregos. Petróleo, gás e bioenergia, complexo industrial do agronegócio, o complexo industrial da defesa - o Brasil gasta bilhões de reais para equipar nossas forças armadas - mas isso são tecnologias sensíveis, por isso não posso deixar a Embraer ser entregue para os americanos. E por fim o complexo industrial da saúde, vamos passar a produzir aqui e gerar emprego aqui”.

Por fim, Ciro foi categórico ao falar sobre reforma política e combate à corrupção. Segundo ele, mais urgente que as reformas, é a conscientização do povo a respeito do voto. “Não se apaixone por político, a gente deve se apaixonar por artista. Político a gente deve olhar para todos com pezinho atrás, olhar quem é, de onde vem, com quem está na campanha, se há boas propostas, se tem coerência com o que andou fazendo, se é contra a corrupção, se está com nome enrolado ou não”, finalizou.

Por: Redação

Tags: Ciro Gomes, Eleições 2018, Kátia Abreu