Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Polí­tica

Foto: Montagem

Os deputados federais do Tocantins eleitos para a próxima legislatura na Câmara dos Deputados comentaram nesta segunda-feira, 29, a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) para a Presidência da República. Os políticos o parabenizaram pela vitória e destacaram a criação de uma base de governabilidade sólida no Congresso Nacional para viabilizar os projetos do Executivo.

O novato Tiago Dimas (SD) parabenizou Bolsonaro e destacou a “expressiva votação”, mesmo “estando em uma pequena coligação e praticamente sem qualquer aliança política”. “A campanha eleitoral acabou. Não há mais vencidos ou vencedores. Somos todos brasileiros e o importante, agora, é fazer o País avançar, o Brasil melhorar para superarmos os muitos problemas que enfrentamos”, destacou.

Para Dimas, o futuro presidente deverá ser maleável e priorizar o diálogo com todas as partes, inclusive as minorias, para viabilizar seu governo. “Para construir a governabilidade, o presidente eleito precisa primar pelo diálogo com todos os setores da sociedade. Precisa respeitar as minorias, sempre levando em conta a pluralidade do imenso Brasil”.

Dimas destacou que Bolsonaro deverá priorizar os ajustes fiscais que, em sua opinião, deverão ser “implantadas na base do convencimento e do diálogo, não com imposições. A nossa Constituição Cidadã, que neste mês completou 30 anos, precisa ser bíblia do governo”.  Ainda segundo Tiago Dimas, dentro do sistema político do País, os partidos seguem sendo importantes. "Não se pode abrir mão deles, pois são instrumentos essenciais para a política. O diálogo também tem que ocorrer com os partidos", disse.

Eli Borges

Eli Borges, também do Solidariedade e estreante na Câmara dos Deputados, disse ao Conexão Tocantins  que a eleição de Jair Bolsonaro representa um novo marco na história do Brasil e do Tocantins. O deputado federal eleito disse que espera que o presidente faça esforço para reunificar o País. “A esperança que tenho é de que o novo presidente da República possa unir o Brasil que está dividido por questões partidárias”, declarou.

Borges também destacou o que espera ser a prioridade do governo Bolsonaro. “Continue defendendo as bandeiras da diminuição da carga tributária, geração de emprego e renda, defesa da família, da vida, dos valores da fé. Que ele não fique olhando para os números de cada Estado, mas que fique atento ao dever do exercício patriota da presidência, vendo o Brasil como um todo e não como parques e vendo todos os brasileiros também, independente de partido, como um todo, não como pessoas diferentes dentro do próprio País”, disse.

Célio Moura

Eleito pelo Partido dos Trabalhadores, Célio Moura confirmou sua oposição no parlamento federal e fez críticas à equipe de transição - e possivelmente de governo - de Bolsonaro. “Ele representa a esperança que a maioria do povo depositou nele, mas esta equipe que ele começou a anunciar, esse tal de Onyx Lorenzoni, Magno Malta, são as piores escórias da política brasileira. Então ele já começou mal”, declarou Moura.

O deputado federal Onyx Lorenzoni é cotado para ser o ministro-chefe da Casa Civil. Já Magno Malta, apesar de derrotado na campanha para o senado pelo Espírito Santo, é nome praticamente certo na equipe de governo de Bolsonaro.

Célio Moura também destacou a votação expressiva de Fernando Haddad (PT) no Tocantins. Por aqui o petista recebeu 51% dos votos válidos. “Você tem que respeitar o resultado, o povo decidiu. Quero parabenizar o Tocantins, nós viramos aqui. Eu fui coordenador da campanha e conseguimos virar. O Tocantins votou contra o Bolsonaro. Agora, ele vai ser presidente de todo mundo, de quem votou e quem não votou”.

Sobre a governabilidade e oposição, Moura disse que espera moderação do futuro presidente. “Espero que ele não venha passar o trator na gente, ele foi um deputado que nunca peitou nada lá [na Câmara], passou 28 anos no parlamento sem ninguém notar que ele existia. Só veio aparecer agora que se auto lançou candidato a presidente. Espero que ele respeite o parlamento. Nós vamos estar lá, defendendo os direitos do trabalhadores. Não irei fazer uma oposição sistemática, porém republicana ao governo dele”, declarou.

A respeito da proposta de revogar o estatuto do desarmamento, já anunciada por Jair Bolsonaro como o primeiro projeto enviado ao Congresso, Célio Moura declarou que vai ser voto contrário. “Sou contra, totalmente contra qualquer mudança no estatuto do desarmamento, na maioridade penal… vamos lutar até às últimas consequências para que isso não seja alterado”, finalizou.

Osires Damaso

O Conexão Tocantins também conversou com o deputado federal eleito Osíres Damaso (PSC) que, por telefone, parabenizou Bolsonaro e disse que respeita a escolha da maioria dos eleitores. Damaso também falou em reunificação e citou que o Congresso tem um papel fundamental nesse processo. “Minha expectativa é que tenhamos um Congresso Nacional contribuindo com a reorganização do Brasil. A responsabilidade dos parlamentares é com o Brasil, obviamente se houver algum projeto do governo que possa ser negativo eu vou trabalhar para não aceitar. Se o presidente tiver boas intenções com o Brasil terá o máximo de apoio dos parlamentares”.

Quando questionado a respeito do projeto de revogação do estatuto do desarmamento, Damaso declarou-se favorável. “Sou favorável. Acho que o Estado não pode entregar arma pra todo mundo, mas de uma maneira organizada e dando condições para um cidadão ter uma arma em sua propriedade, rural principalmente, que estão todos vulneráveis, com porte de arma e com todos os exames psicológicos, sou totalmente favorável”, declarou.

Professora Dorinha

Por meio de nota a deputada federal Professora Dorinha Seabra Rezende (DEM/TO), reeleita para o mandato 2019/2022, destacou que o final do período eleitoral direciona o cenário do Congresso Nacional e o planejamento das atividades parlamentares para o próximo ano.

A parlamentar evitou analisar a respeito do resultado da eleição presidencial, expectativa de governabilidade de Jair Bolsonaro e relação entre o futuro chefe do Executivo Federal e a bancada tocantinense.

Professora Dorinha afirma que seu projeto é continuar e ampliar o trabalho que já realiza, focado nas seguintes áreas: expansão e melhoria da educação básica e superior; ampliação do atendimento da saúde pública; melhoria da infraestrutura dos municípios do Tocantins; defesa dos direitos da mulher, da formação e do empoderamento feminino.

A deputada é coordenadora da bancada federal do Tocantins, vice-presidente da Comissão de Educação, vice-presidente nacional do Democratas Mulher e membro titular da Comissão de Esporte e da comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

Professora Dorinha é também autora de importantes projetos das áreas já citadas. Também está sob sua responsabilidade a relatoria de diversas proposituras, dentre as quais se destaca a proposta de emenda à Constituição (15/15) que torna permanente o Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb).

Vicentinho Junior 

O deputado reeleito Vicentinho Junior afirmou que a eleição de Bolsonaro foi o resultado esperado, que demonstrou o sentimento do eleitor no País, eleger representantes verdadeiramente ficha limpa. Segundo Vicentinho Junior, Jair Bolsonaro foi o candidato do momento que personalizava tudo isso junto com sentimento do eleitor. "Fiquei feliz com resultado, Tocantins teve sua colaboração e desejo um Governo de união, pacificação e que devolva ao brasileiro sua autoestima e segurança institucional a nação", disse o deputado.

O Conexão Tocantins também procurou os demais deputados federais eleitos e reeleitos pelo Tocantins. As ligações feitas para as assessorias de comunicação de Carlos Gaguim (DEM) e Dulce Miranda (MDB) foram encaminhadas para a caixa-postal. (Atualizada às 12h02 do dia 30/10/18)