Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Estado

Foto: Divulgação

O procurador-geral de Justiça, José Omar de Almeida Júnior, recebeu das mãos do governador do Tocantins, Mauro Carlesse, na manhã desta quarta-feira, 31, a nomeação para o novo mandato como chefe do Ministério Público do Estado do Tocantins. “Agradeço à categoria que me honrou, por meio de uma votação expressiva. Eu e minha equipe nos esforçaremos ao máximo para realizar uma gestão diferenciada, com foco no atendimento das necessidades dos procuradores e promotores de Justiça, notadamente das promotorias de Justiça do interior, que são, de fato, a linha de frente da atuação ministerial”. 

A escolha do PGJ que conduzirá a instituição pelos próximos dois anos foi feita com base na lista tríplice, formada por ocasião de eleição ocorrida ao longo do dia 29, segunda-feira. José Omar obteve o maior número de votos, seguido dos Procuradores de Justiça José Demóstenes de Abreu e Alcir Raineri Filho.

Em documento enviado ao governador, no dia da eleição, o presidente da Associação Tocantinense do Ministério Público, promotor de Justiça Luciano Casaroti, solicitou ao chefe do Executivo respeito aos princípios da democracia, observando-se como critério para a nomeação o nome do candidato mais votado na lista. Pedido também reforçado pela Associação dos Servidores Administrativos do Ministério Público (ASAMP) e pela Associação Nacional dos Membros do Ministério Público (CONAMP).

José Omar de Almeida Júnior ocupava, até o mês de maio deste ano, o cargo Subprocurador-Geral de Justiça e assumiu o posto de chefe do Ministério Público Estadual, por ocasião da aposentadoria do então PGJ, Clenan Renaut de Melo Pereira.

A solenidade de posse acontecerá no dia 14 de dezembro, conforme previsto na Lei Orgânica do Ministério Público do Tocantins.

Perfil

José Omar de Almeida Júnior iniciou sua carreira profissional no Ministério Público do Estado de Goiás, na função de assessor técnico, a qual exerceu entre os anos de 1976 e 1989. Com a criação do Tocantins, mudou-se para a capital provisória, Miracema do Tocantins, onde ingressou no quadro auxiliar do Ministério Público do Estado. Em junho de 1989, assumiu o cargo de assessor do Procurador-Geral de Justiça. No mês seguinte, ascendeu à chefia de gabinete da Procuradoria-Geral de Justiça. Foi aprovado no primeiro concurso para Promotor de Justiça do Estado do Tocantins, tendo ingressado na carreira em 30 de janeiro de 1990. Em sua trajetória, atuou nas promotorias de Justiça das comarcas de Arraias, Paraíso do Tocantins e Palmas, até ser promovido a Procurador de Justiça em agosto de 1997. Foi Procurador-Geral de Justiça por dois mandatos consecutivos, nos biênios de 1996/1998 e 1998/2000 e atualmente ocupa o posto em mandato complementar. Na instituição, também ocupou os cargos de Ouvidor e coordenou o Centro de Apoio Operacional do Consumidor por dois mandatos, tendo exercido as funções de Diretor-Geral, Subprocurador-Geral de Justiça por duas vezes, Corregedor-Geral Substituto, membro do Conselho Superior do Ministério Público, além de integrar o Colégio de Procuradores de Justiça. Entre os anos de 1990 e 1993 presidiu a Associação Tocantinense do Ministério Público (ATMP).