Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Polí­tica

Foto: Pedro França

A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) do Senado aprovou, nesta quarta-feira, 7, requerimento do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) para que o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, apure junto ao Banco Central e ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) se os dirigentes das Confederações Nacionais da Indústria (CNI),  Agricultura (CNA), Transportes (CNT) e Comércio (CNC) têm contas bancárias no exterior, declaradas ou não.

Ataídes, que é presidente da Comissão, também quer saber do ministro se entre 2014 e 2018 foram feitos saques em dinheiro, em valores superiores a R$ 50 mil, das contas do Sesi, Senai, Sesc, Sescoop, ABDI, Apex Brasil e Federação das Indústrias do Tocantins (Fieto).

Caixa-preta

“Já passou da hora de se abrir a caixa-preta do Sistema S”, alertou o senador, que vem criticando há anos os desvios de finalidade e os abusos cometidos pelas entidades que integram os Serviços Sociais Autônomos. O senador destacou que já existem vários acórdãos do Tribunal de Contas da União comprovando a falta de transparência na arrecadação e aplicação dos recursos do Sistema S. “Estamos falando de uma arrecadação superior a R$ 30 bilhões por ano”, acrescentou.

O parlamentar espera que o novo governo consiga, efetivamente, colocar ordem no Sistema S, corrigindo as irregularidades cometidas hoje. Dias atrás, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, deixou vazar que entidades como Sebrae, Sesi, Sesc e Senai serão profundamente reformuladas. Entre as mudanças previstas estão o fim de patrocínios que nada tenham a ver com a formação e capacitação de trabalhadores.