Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Esporte

 Rosana dos Santos tem entre suas conquistas duas medalhas de prata em olimpíadas

Rosana dos Santos tem entre suas conquistas duas medalhas de prata em olimpíadas Foto: Divulgação

Foto: Divulgação  Rosana dos Santos tem entre suas conquistas duas medalhas de prata em olimpíadas Rosana dos Santos tem entre suas conquistas duas medalhas de prata em olimpíadas

Embora tenha deixado a Copa do Mundo da França com reconhecimento em alta pelos torcedores, a Seleção Brasileira de Futebol feminino foi eliminada precocemente nas oitavas de final da competição pelas donas da casa e passa por um momento de transição e renovação.

Algumas veteranas como Rosana e Franciellese aposentaram antes mesmo da Copa e outras devem seguir o mesmo caminho como a meio-campista Formiga, de 41 anos, que também já havia anunciado aposentadoria, mas voltou atrás após ser convocada para a seleção pelo técnico Vadão. Ela se tornou a primeira jogadora a participar de sete edições da Copa do Mundo.

Embora o futebol feminino tenha crescido muito nos últimos anos no mundo, no Brasil o reconhecimento das atletas brasileiras ainda é aquém do merecido. Que o digam Rosana dos Santos Augusto (36 anos) e Francielle Manoel Alberto (29 anos) que largaram os gramados, sem nenhuma grande repercussão, apesar dos currículos recheados de conquistas e de serem medalhistas olímpicas.

As atletas concederam entrevista recente ao time da Betway Esportes, onde falaram sobre mídia, treinadores, CBF, preconceito com o futebol feminino e até camisa da seleção feminina que reproduz o modelo utilizado dos homens.

Rosana, que disputou quatro olimpíadas, conquistando duas medalhas de prata, afirma que, pelo que fez “merecia um reconhecimento muito maior”. A jogadora esteve também em quatro Copas do Mundo e três Pan-Americanos.

Segundo ela, foi no Pan-Americano do Rio que viveu a maior alegria e também a maior decepção da carreira. Ela afirma que o Brasil ainda é um País machista e isto atrapalha a evolução do futebol feminino. “Aí você entra no Maracanã lotado, com 70 mil pessoas apoiando o futebol feminino... Foi muito marcante. Até hoje me arrepio. Foi um momento em que achei que o futebol feminino ia evoluir a passos largos, mas não aconteceu”, diz. 

Francielle fala da questão psicológica que afeta. Segundo ela, por causa da pressão de sempre ter de procurar mais e nem sempre ter o resultado esperado. A atleta tem medalha de prata conquistada nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008.

As duas veteranas acompanharam a campanha da Seleção Brasileira na Copa da França e a eliminação para as anfitriãs nas oitavas de final. Segundo elas o momento que o futebol feminino vive é positivo com partidas transmitidas em TV aberta e grandes audiências.

Mas as veteranas também criticam. Um ponto levantado é o fato da camisa utilizada pelas mulheres serem a mesma do time masculino, com as cinco estrelas que remetem às cinco copas do mundo conquistadas pelos homens e não por elas. 

“Não deve ser a mesma. Cada um com suas conquistas. Não precisa ter cinco estrelas no peito só pra falar que tem. Não são nossas!”, diz Francielle, sendo complementada por Rosana, que, otimista, afirma: “Tenho certeza que fazendo um trabalho de longo prazo, a gente também vai encher aquela camisa de estrelinhas”, conclui.