Meio Ambiente

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Equipes de fiscalização ambiental do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), conjuntamente com Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA), realizaram no último final de semana, 14 a 17, ações de fiscalização em diversas regiões do Tocantins, por meio de patrulhamento fluvial e blitz terrestre. O objetivo foi o de coibir quaisquer meios de pesca predatória, bem como o transporte ilegal de pescado no rio Araguaia, Tocantins e afluentes e, também, nas rodovias.

A ação faz parte da Operação Piracema, período onde fica suspenso todas as modalidades de pesca, visando assegurar a reprodução das espécies da fauna das bacias hidrográficas dos rios Araguaia-Tocantins, que começou em novembro do ano passado e irá até o dia 28 de fevereiro. As equipes de fiscalização estiveram dividas entre três regiões do Estado: Região de Couto Magalhães, passando pelos municípios de Bernardo Sayão, Arapoema e Pau D’Arco; Região de Pedro Afonso, passando pelo município de Rio Sono; Região de Palmas, passando por Porto Nacional e Dianópolis, até a divisa com a Bahia.

Na região de Couto Magalhães, a fiscalização foi realizada pela equipe regional de Araguaína que nos quatro dias de operação recolheram em média 700 metros de redes malhadeiras de diversas malhas. Na operação pela estrada foi recolhido um pássaro tipo curió no povoado de Couto Velho, onde foi feita a entrega espontânea por parte do portador da ave. A equipe também realizou ações de educação ambiental com os ribeirinhos da região, através da disseminação de informações pertinentes ao período de defeso.

Na região de Pedro Afonso, a equipe esteve em operação nos rios Tocantins, Sono e seus afluentes. Na operação foram recolhidos 200 metros de rede. Já na região de Palmas e Porto Nacional a fiscalização apreendeu aproximadamente 2.300 metros de redes recolhidas e uma tarrafa. Em Dianópolis, a fiscalização passou pelas margens do rio Manoel Alves e realizou blitz no posto fiscal da divisa TO/BA e na zona rural de Dianópolis, no acesso ao lago grande com intuito de orientar sobre o período da Piracema e fiscalizar os veículos.

Ao total a Operação recolheu 3.200 metros de rede dos rios tocantinenses. O diretor de proteção e qualidade ambiental do Naturatins, Eliandro Gualberto, conta que o foco das ações é tanto repressivo quanto educativo, com intuito de não só reprimir, como também o de prevenir a prática da pesca no período da Piracema. "As ações integradas de fiscalização têm como principal objetivo a conscientização da população acerca da importância em se respeitar o período de defeso, uma vez que é uma importante fase no processo de reprodução das espécies”, frisa. 

O gerente de Fiscalização, José Cândido Neto, destacou que as operações são importantes para garantir o cumprimento da portaria nº 171/2021 que fixa o período de defeso. "Estamos focando no combate a pesca, o transporte e a comercialização do pescado no período de defeso e com isso garantimos o repovoamento dos estoques pesqueiros do nosso estado nos nossos rios, lagos e lagoas”, afirma.