Polí­tica

Foto: Antônio Gonçalves

O deputado Paulo Mourão, lançou na noite do último sábado, 3, em Araguaína o Comitê em “Defesa da democracia e do direito do Lula ser candidato. Ao lado de membros e simpatizantes do Partido dos Trabalhadores em Araguaína o pré-candidato alertou a militância do perigo que a democracia corre no curso do que ele denomina de golpe ao estado democrático de direito formado pelo processo elitizado, onde poucas oportunidades se permitem aos trabalhadores e trabalhadoras. “A defesa do Lula não é a defesa de uma candidatura, mas da soberania do povo brasileiro”, disse o pré-candidato petista ao governo do Tocantins.

Mourão fez uma reflexão desde a década de 1930, com a implantação do Estado Novo por Getúlio Vargas, até os dias atuais. “Precisamos refletir na história a atuação da organização elitizada formada pela grande imprensa, a força política e o sistema financeiro que continua a fomentar o processo do empoderamento da elite do atraso e da elite perversa”, convidou o pré-candidato durante sua fala ao conclamar a todos os presentes a agir em favor da democracia e da soberania do povo brasileiro e tocantinense.

“Em 2014 cassam uma presidente sem nenhuma comprovação de ilícito dela e a elite ainda foi para as ruas bater panela de camisa amarela. São esses que na hora de gastar dinheiro vão para Miami”, asseverou Mourão ao destacar que a força do povo nas ruas precisa se intensificar neste momento há uma ruptura constitucional no país e para ele “um exemplo disso são os tantos que continuam ocupando espaços de representação do povo, como exemplo o Aécio Neves, que continua no Senado”.

Para Mourão, no momento em que não só o Brasil, mas todo o mundo dá sinais de que a democracia é um instituto em “falência” e ardem financeira mundial trabalha diuturnamente como um instituto para destruir a democracia, “a candidatura do Lula representa e muito para o PT e para todo o nosso país neste momento, mas ela não é a única salvação do Brasil. Estão enterrando o Brasil porque o povo brasileiro não vai para as ruas fazer as suas exigências e isso não pode continuar assim”.

Concordando com Mourão, o presidente do PT em Araguaína, Sandro Cardoso, convidou a todas as pessoas presentes a iniciarem uma verdadeira onda em prol da democracia. “Não podemos ficar de braços cruzados e ver todos os nossos direitos serem massacrados”, disse o presidente ao lembrar que a esquerda brasileira precisa trabalhar junta para derrotar o sistema financeiro e fazer a democracia sobressair.

Presente na inauguração do Comitê, o advogado Célio Moura lembrou que uma importante forma de promover a consciência democrática é o fomento à educação. “Este compromisso vemos nos governos do PT no Brasil com o presidente Lula e no Tocantins vemos na atuação do deputado Paulo Mourão, que neste fim de semana lançou uma especialização para professores em parceria com a UFT [Universidade Federal do Tocantins] e o Sintet [Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Tocantins]. Fico feliz em ver a preocupação de um homem que está pronto para nos ajudar na retomada da democracia sendo governador do Tocantins”, disse.

A ex-vereadora e secretária-Geral do Sintet, Silvinia Pires, também fez o uso da palavra e aproveitou para conclamar a todos e todas a eleger o próximo governador do Tocantins e o presidente do Brasil. “Temos essa missão e vamos nos unir para ter uma candidatura que representa a cidadania do Tocantins, que ao lado de Lula e uma bancada estadual e federal forte, vamos conseguir reavivar a nossa democracia”, disse.

Comitê

Os Comitês Populares em Defesa da Democracia e do Direito de Lula ser candidato à Presidência da República são uma articulação com o objetivo de envolver os movimentos sociais, populares, sindicais, artistas, sociedade civil e toda militância petista, assim como os partidos do campo democrático e popular.

Eles funcionam como resistência à retirada de direitos, aos abusos do Judiciário, à parcialidade da Justiça e à tentativa de corromper a eleição de 2018 a partir do impedimento de  Lula.