Polí­cia

Foto: Divulgação A organização era especializada em realizar compras fraudulentas de produtos e serviços oferecidos pela internet A organização era especializada em realizar compras fraudulentas de produtos e serviços oferecidos pela internet

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira, 27, a Operação Crédito Fácil visando desarticular mais uma organização criminosa especializada em realizar compras fraudulentas de produtos e serviços oferecidos pela internet (lojas virtuais) no Estado do Tocantins.

Mais de 40 policiais federais cumprem nove mandados de busca e apreensão expedidos pela 4ª Vara Federal SJ/TO, especificamente nas cidades de Palmas e Itaguatins. A investigação teve início após prisão em flagrante de membros da organização criminosa quando realizavam hospedagem em Hotel da Cidade de Palmas/TO utilizando-se de cartões de terceiros para realizar o pagamento.

A prática criminosa consiste basicamente na compra de produtos eletrônicos, de vestuário e serviços de hospedagem, utilizando-se de dados de cartões de créditos de terceiros. Posteriormente, lucravam com a venda desses bens e produtos adquiridos ilicitamente.

As buscas e interrogatórios objetivam esclarecer quem são os destinatários finais dos bens e quem são os fornecedores dos dados bancários utilizados nas compras fraudulentas. Os envolvidos devem responder pelos crimes de estelionato e organização criminosa.

O nome da operação faz referência ao modus operandi da organização que se utiliza de dados de cartões de crédito para realizar a compra de produtos na internet.

Outras Operações

Visando desarticular grupos criminosos especializados em fraudes bancárias, a Polícia Federal no Tocantins vem realizando investigações desde o mês de março. Além da Operação Crédito Fácil, foram executadas outras operações como: Operação Código Reverso, Operação Dr. Cross e Operação Backdoor

Organizações criminosas especializadas em fraudes bancárias e compras fraudulentas, atuando nos estados, do Tocantins, Goiás, São Paulo, Pernambuco e Maranhão foram desbaratadas.