Polí­tica

Foto: Esequias Araújo

A Procuradoria Geral Eleitoral (PGE), em Brasília/DF, manifestou-se, favorável à candidatura do governador interino e candidato ao Governo do Tocantins na eleição suplementar de 3 de junho, Mauro Carlesse (PHS). O parecer foi emitido na última quinta-feira, 24, mas só foi divulgado nesta segunda-feira, 28. 

O registro da candidatura de Carlesse foi questionado pela coligação “Reconstruindo o Tocantins”, da senadora Kátia Abreu (PDT), sob alegação de que a coligação de Carlesse, Governo de Atitude, teria protocolado o pedido de registro no Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Tocantins (TRE-TO) fora do horário regulamentar – 19 horas.

Ao fundamentar seu parecer pela manutenção do registro, o vice-procurador-geral eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, afirmou que, “para modificar a conclusão da Corte de origem [TRE-TO], é necessário, como regra, reexame de fatos e provas, inviável em sede extraordinária”. Para o membro do MP Eleitoral, “norma local [Resolução do TRE-TO) sem repercussão nacional não abre caso ao entendimento extraordinário [TSE].”

Na prática, o Ministério Público Eleitoral deu parecer contrário ao Recurso Especial Eleitoral movido pelos advogados de Kátia, isto é, não aceitou os argumentos dos advogados da senadora. “É inadmissível a interposição de Recurso Especial Eleitoral em hipótese de contrariedade a resolução de Corte Regional Eleitoral”, fundamentou o procurador eleitoral.