Polí­tica

Foto: Divulgação Nésio Fernandes, presidente do PCdoB no Tocantins, foi secretário da Saúde na gestão Amastha Nésio Fernandes, presidente do PCdoB no Tocantins, foi secretário da Saúde na gestão Amastha

O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) no Tocantins e o PTB, retiraram seus apoios à candidatura de Carlos Amastha (PSB) ao Governo do Estado e migraram para a base aliada do candidato Márlon Reis (Rede). A mudança aconteceu após a convenção do PSB, realizada neste domingo, 5, e que lançou Amastha como candidato ao Governo do Estado. 

A definição do nome do ex-deputado estadual José Geral de Melo Oliveira, que é o presidente estadual do PTB, como o candidato a vice-governador, se deu na manhã desta segunda-feira, 6, segundo informação da assessoria de Marlon Reis. 

 Ex-deputado estadual José Geraldo de Melo será o vice de Márlon Reis

Tanto o PCdoB como o PTB eram importantes aliados de Carlos Amastha. O PCdoB compunha o governo de Amastha à frente da Prefeitura de Palmas desde o primeiro mandato conquistado nas eleições de 2012, já o PTB integrou a base aliada do prefeito em sua campanha para a reeleição em 2016.

O atual presidente do PCdoB no Estado, Nésio Fernandes, foi, inclusive, secretário de Saúde da Prefeitura de Palmas durante o governo de Amastha. José Geraldo também foi secretário, já no segundo mandato.

O Conexão Tocantins tentou falar com Márlon Reis, mas as ligações não foram atendidas. 

Presidente do PT comemora 

Por telefone o deputado estadual José Roberto Forzani, presidente do PT no Tocantins - partido que também saiu da base de apoio de Amastha para coligar com Márlon Reis - confirmou a migração do PCdoB para a coligação. O motivo seria a falta de alinhamento da ideologia do partido com as atuais alianças de Amastha para tentar a eleição. “Essas definições não estão de acordo com nosso alinhamento… eu digo isso sobre a gente [PT], certamente eles [PC do B] têm as razões deles, mas eles vieram e ficamos muito felizes com a chegada do partido na coligação”, declarou José Roberto