Educação

Para o Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado do Tocantins (Sintet), o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), nesta última segunda-feira, 3, é competência dos professores, que independente da valorização recebida cumpre com eficiência e responsabilidade a aplicação dos conhecimentos curriculares.  

Em Palmas, os anos iniciais obtiveram nota 6,6. Já na avaliação dos municípios em âmbito estadual, a nota foi 5,4. Mais de 50% dos municípios tocantinenses avaliados alcançaram a meta do Ideb.

A meta estabelecida para 2017 foi cumprida apenas nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano). A etapa alcançou 5,8 (em uma escala que vai de 0 a 10), quando a meta estipulada era de 5,5.

Nos anos finais do ensino fundamental, do 6º ao 9º ano, o resultado foi de 5,8 em Palmas, já no Estado, os municípios obtiveram a pontuação de 4,5. A meta 2017 era de 4,7.

O resultado do Ideb mostra o esforço e desempenho dos professores, que mesmo diante das mazelas sofridas por uma greve massacrante, em que a gestão da prefeitura de Palmas não cumpriu as reivindicações, a categoria tem desenvolvido seu papel com veemência.

Ensino Médio

No ensino médio, a rede estadual alcançou 3,7 um salto de 0,4 em relação ao ano de 2015, quando obteve pontuação 3,3. A meta nacional para 2017 era 4,7.

No ensino médio, a meta foi descumprida em todos os estados. Apesar de não ter alcançado o índice esperado, o Tocantins não sofreu redução no valor do Ideb entre 2015 e 2017, como aconteceu com os Estados do Amazonas, Roraima, Amapá, Bahia e Rio de Janeiro. O Estado com melhor Ideb foi o Espírito Santo, que obteve 4,4 pontos, mas também não atingindo a meta de 5,1.

O Sintet pontua que a rede estadual de Educação tem uma Folha com média de 50% de profissionais em regime de contrato, grupo que reúne profissionais de várias vertentes, grande parte apadrinhados políticos, que trabalham com jornadas exaustivas, sem garantias, que não são amparados pelo plano de carreira, fatores que a olho nu elencam um conjunto de desmotivação e que compromete a qualificação. Para sanar este problema, o Sintet cobra a realização de concurso público, visto que o último foi realizado em 2009.

Ainda na rede estadual, professores aguardam retroativo do pagamento das progressões, bem como retroativos da data-base de 2014. A remuneração do professor tem perdido o poder de compra ano após ano.

Mesmo diante do cenário cruel de desvalorização do professor, o Ideb cresceu no ensino médio e coloca o Tocantins com o melhor desempenho na região Norte.

Por: Redação

Tags: IDEB, Ministério da Educação, Sintet