Polí­cia

Foto: Divulgação

Duas pessoas continuam reféns dos presos que fugiram do presídio Barra da Grota em Araguaína nesta última terça-feira, 2. Os reféns são uma professora, identificada como Elisângela Mendes Sobrinho de 43 anos, e o chefe de plantão da unidade, Roberto Aires. Os reféns estão em poder dos detentos em uma área de mata próxima ao povoado onde fica localizado o presídio. A Secretaria de Cidadania e Justiça (Seciju) não tem informações sobre o estado físico e psicológico dos reféns.

Dos 28 presos que fugiram, 18 continuam foragidos. Dos dez presos mortos em confronto com a polícia, nove já foram identificados e um continua sem identificação. A Seciju informou que os foragidos também foram identificados e que trabalha na divulgação dos nomes.

Uma força integrada de segurança que conta com o auxílio de helicóptero e cães farejadores atua nas buscas. Os presos estão armados e a situação na localidade onde eles podem estar localizados é considerada tensa. Por este motivo a polícia solicita que se evite o compartilhamento de informações que não sejam oficiais.

A fuga aconteceu após uma rebelião que teve início por volta das 14h40 dentro da sala de aula onde a professora feita refém dava aula. Após renderem a mulher os presos tomaram as armas dos agentes penitenciários e também os tomaram como reféns e saíram pela porta da frente do presídio até a região de mata.

Na confusão dois agentes foram feridos com golpes de armas artesanais - os conhecidos chunchos - e um funcionário da Embrasil, empresa responsável pela gestão dos serviços de hotelaria, alimentação e manutenção da unidade, também foi ferido a tiros. O funcionário recebeu atendimento médico e não corre risco de morrer.