Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Polí­cia

Foto: Divulgação

Com o objetivo de proporcionar condições para integração social dos reeducandos do Sistema Prisional Penitenciário, através da educação e do trabalho, a Secretaria Estadual da Cidadania e Justiça (Seciju) irá inaugurar nesta sexta-feira, 9, às 9 horas, uma Fábrica de Blocos e Artefatos de Concreto para os reeducandos do regime semiaberto e egressos. A fábrica fica no Centro de Formação e Produção do Trabalho Prisional, onde funciona também o Núcleo de Apoio ao Egresso, em Palmas.    

A iniciativa é da Gerência de Reintegração Social, Trabalho e Renda do Preso e do Egresso da Seciju, juntamente com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen) e com recursos oriundos do governo federal. Visa garantir educação, profissionalização e trabalho aos reeducandos do regime semiaberto e egressos.  Nessa fábrica, os reeducandos do Sistema Prisional e os egressos participam de curso teórico e prático, são certificados, e saem prontos para o mercado de trabalho, inclusive com encaminhamentos. A primeira turma iniciou as aulas no último dia 5, ministradas das 8 às 12 horas e das 13 às 17 horas e contam com a participação de 20 reeducandos.

“O intuito do projeto é ofertar formação, qualificação profissional, empregabilidade e renda para pessoas do regime semiaberto e egressos. Serão inicialmente três turmas, a primeira já iniciou o curso e as outras duas começarão dia 12”, explicou o gerente de Reintegração Social, Trabalho e Renda do Preso e do Egresso, Ricardo Araújo Coelho

O curso tem carga horária de 57h/aulas e os reeducandos aprendem sobre matéria prima e o impacto desta na qualidade do produto. Eles estudam também sobre os componentes e especificações técnicas de cada produto e a função da matéria prima. Conforme o monitor do curso, João Inácio Ferreira Júnior, os reeducandos tem muito interesse em aprender. “Aqui todos são muito inteligentes e dedicados, alguns estão cursando nível superior e estão muito dispostos a aprender o que está sendo repassado”, destaca.

Para o reeducando J.C.S, o curso é um caminho para ressocialização, através do trabalho. “O curso é muito efetivo e está ampliando o nosso conhecimento e nos profissionalizando. Queremos, com isso, retornar à sociedade sem sermos oprimidos”, enfatizou.

 A Fábrica 

A Fábrica de Blocos e Artefatos de Concreto do Centro de Formação e Produção do Trabalho Prisional, em Palmas, é a segunda a ser entregue pela Seciju. Já foi inaugurada também a da Casa de Prisão Provisória (CPP) de Paraíso do Tocantins. Ao todo serão oito fábricas em unidades distintas entregues até julho de 2019.