Campo

Foto: Mateus Soares

Foto: Mateus Soares

A retirada da vacinação contra febre aftosa é um processo que requer esforços mútuos e contínuos, a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) tem contado com o apoio do Grupo Gestor para conquistar este avanço. Na manhã desta quarta-feira, 9, as instituições debateram o Plano de Ação para atendimento às recomendações do relatório da auditoria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). 

Segundo a médica-veterinária da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), Érika Jardim, a Adapec tem avançado nas ações propostas pelo Mapa, e o Grupo Gestor fortalece a realização de capacitações, seminários e outras demandas. “A união é fundamental porque ninguém faz nada sozinho, ajudaremos na mobilização e sensibilização de toda a comunidade para darmos andamento e agilidade nas metas que precisam ser concluídas”, avaliou.

O presidente da Adapec, Paulo Lima, falou sobre as medidas que estão sendo tomadas para atender todas as exigências previstas no Plano. “Aumentamos a frota de veículos, firmamos convênios com o Governo Federal para colaborar com a reestruturação da Agência, estamos revitalizando escritórios, adquirimos material de informática, estamos promovendo treinamentos para equipe técnica, entre outros”, ressaltou.  

De acordo com o auditor fiscal federal agropecuário da Superintendência Federal da Agricultura (SFA), Luís Eduardo, a retirada da vacinação é um grande passo para o Tocantins, por isso necessita de um conjunto de ações previsto no Plano Nacional, que permitirá o avanço. “Avaliamos o sistema de defesa agropecuária que compreende recursos humanos, físicos e financeiros”, disse.

As apresentações dos temas ficaram a cargo do diretor de defesa, inspeção e sanidade animal da Adapec, Márcio Rezende e do responsável pelo Programa Estadual de Vigilância em Febre Aftosa da Adapec, João Eduardo Pires. 

Participaram ainda da reunião os representantes das instituições: Sindicato das Indústrias de Carnes Bovinas, Suínas, Aves, Peixes e Derivados (Sindicarnes), da Federação da Agricultura e Pecuária do Tocantins (Faet) e o Fundo de Desenvolvimento Agropecuário (Fundeagro),além da SFA e Seagro.

O Tocantins faz parte do bloco IV, que pretende retirar a vacinação antiaftosa a partir de 2023.

Sugestão de pauta: As diretrizes recomendadas pelo Ministério da Agricultura são debatidas pelo Grupo Técnico Gestor da retirada da vacinação antiaftosa em prol do avanço do status sanitário para livre da doença sem vacinação