Saúde

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O mutirão fez parte das ações do Programa de Aprimoramento da Gestão Hospitalar (PAGH – Cirúrgico), conhecido como Opera Tocantins, que estimula a produção dos profissionais lotados na rede hospitalar estadual, a produzir fora dos horários de plantões. A iniciativa busca humanizar o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), com celeridade e qualidade no acolhimento.

“Eu aguardava por esta cirurgia há mais de um ano e graças a Deus me ligaram para fazer. Sentia muita dor, tinha sangramento e agora foi tudo resolvido, estou recebendo alta e voltando para casa, para ter uma vida normal”. Esta foi a declaração da paciente Arlete Lopes da Conceição, moradora de Porto Nacional, uma das atendidas no mutirão de cirurgias ginecológicas realizado pelo Governo do Tocantins, no último final de semana, no Hospital Regional de Porto Nacional (HRPN). No total, 10 mulheres foram beneficiadas com a ação.

Assim como Arlete, a dona de casa Eliene Araújo Dias, foi contemplada como um histerectomia. “Eu também esperava a mais de um ano e fiz minha cirurgia no sábado passado. Ocorreu tudo bem e já estou indo para casa. Fui muito bem recebida e não tenho o que reclamar da forma como me trataram aqui”, disse.

Em todo o ano de 2023 (até 24/04), 1.091 mulheres já tiveram a saúde recuperada, graças a um procedimento eletivo ginecológico, pelo SUS tocantinense. “Estamos alinhando todas as unidades hospitalares para que os mutirões sejam intensificados e possamos zerar a fila de espera. Essa é uma determinação do governador Wanderlei Barbosa e estamos trabalhando para que a cada dia o tempo de espera da população seja reduzido. Temos descentralizado a realização dos procedimentos, a exemplo de Araguaína, que tem enviado pacientes para fazerem cirurgias em Arapoema e pretendemos fazer isso em outras unidades, com deslocamento custeado pelo Estado”, afirmou o secretário de Estado da Saúde, Afonso Piva de Santana, acrescentando que “neste ano já foram realizadas um total de 4.231 cirurgias eletivas”.

Com a descentralização dos procedimentos citada pelo gestor, mais de 30 pacientes, referenciados para o Hospital Regional de Araguaína (HRA), já foram atendidos no Hospital Regional e Maternidade de Arapoema (HRMA), com cirurgias ginecológicas, gerais e ortopédicas. Samara Barros, moradora de Araguaína (TO) foi uma das pacientes e aprovou a iniciativa. "Estou muito feliz em ter realizado este procedimento. Quando me ligaram falando que eu ia fazê-lo, nem acreditei, mas graças a Deus eu vim e já estou aguardando alta. Desde o embarque, até a chegada aqui, o atendimento foi excelente, com o pessoal todo muito educado e quem dera que todas as pessoas fossem recebidas em hospitais como este".

Ortopedia

A última ação de descentralização de procedimentos ocorreu no último final de semana, quando foram atendidos três pacientes de Araguaína, em Arapoema. O paciente Antônio Carlos Vieira, de 56, que esperava por uma cirurgia há sete anos foi um dos contemplados. “Estou muito feliz, fui bem recebido e bem tratado por todos. A palavra hoje é de gratidão a Deus e a todos que me ajudaram a realizar este procedimento. Deus abençoe a gestão do Estado e da Saúde, por olhar para nós que esperávamos a tanto tempo”, afirmou.