Campo

Nos dias 18 e 19 de junho, a Embrapa promoverá dois dias de campo em sua área em Palmas-TO. Ambos gratuitos, os eventos objetivam mostrar resultados de pesquisas e de outros trabalhos que a empresa vem desenvolvendo na região. Podem participar técnicos, pesquisadores, estudantes, professores e outros profissionais de Ciências Agrárias, além do próprio grupo de empregados e de interessados em pesquisa agropecuária em geral. Os dias de campo começam às 8h e vão até o meio dia.

Em 18 de junho, terça-feira, o evento será no Campo Experimental de Sistemas Agrícolas (CESAg) e terá quatro estações técnicas. Os temas são: produção e utilização de silagem de capins; BRS Sarandi: manejo da fertilidade do solo; ações estratégicas para aumento de produtividade nas pastagens; e mandioca na alimentação animal. Para participar e acompanhar as discussões, basta se inscrever em https://abrir.link/pXlDC. 

De acordo com Pedro Alcântara, analista de Transferência de Tecnologia da Embrapa em Palmas, os temas selecionados seguem demandas de produtores rurais da região. A silagem, por exemplo, é uma prática comum nesta época de início de período seco e os pecuaristas buscam informações sobre como fazê-la de maneira eficiente. A BRS Sarandi, forrageira adaptada a solos de baixa fertilidade lançada pela Embrapa há dois anos, para ser recomendada para a região precisa de ajustes; entre eles, o manejo da fertilidade do solo, também tema do dia de campo.

O terceiro tema do evento será abordado por representante da empresa Sumitomo Chemical, parceira do programa ABC Corte, focado em intensificação sustentável da pecuária de corte no Tocantins, no Sudeste do Pará e no Nordeste de Mato Grosso. Segundo Pedro, coordenador do programa, o representante do parceiro “vai abordar como o controle de plantas daninhas pode contribuir para o aumento da produtividade”.

Já o quarto tema é demandado por produtores de mandioca da região. A Embrapa e vários parceiros vêm, nos últimos anos, incentivando a adoção de tecnologias para essa cultura agrícola comum na região, mas que ainda apresenta resultados de produtividade abaixo do potencial. O uso na alimentação animal é mais uma alternativa para o produtor de mandioca.

Aquicultura 

Em 19 de junho, quarta-feira, o dia de campo será no Campo Experimental de Aquicultura (CEAq) e tratará de tecnologias para a produção de tambaqui, o peixe nativo mais cultivado no país. Os vários assuntos foram divididos em cinco estações técnicas, cada uma com subtemas. Na estação sobre sistemas de produção, serão discutidos três: viveiros escavados; tanques-rede; e Aquicultura em Sistemas de Recirculação (RAS). Já na estação técnica sobre reprodução, os temas serão melhoramento genético, reprodução induzida e criopreservação de sêmen. 

Abate e bem estar animal serão os temas da estação técnica sobre processamento. E, na estação sobre sanidade, serão abordados as principais doenças de peixes redondos, os métodos de tratamento e os cuidados para o consumo do pescado. Por fim, na estação técnica sobre nutrição, os temas serão exigências nutricionais e ingredientes para formulação de dietas para o tambaqui e alimentação de tambaqui em viveiros escavados.

A pesquisadora Patrícia Chicrala, que supervisiona a Transferência de Tecnologia da Embrapa Pesca e Aquicultura, explica que “a escolha das estações pretende mostrar aos produtores os avanços tecnológicos realizados pela pesquisa para essa espécie nativa, o tambaqui, em diversas etapas do cultivo. Desde a reprodução até o abate, a equipe demonstrará diversos resultados ligados a projetos da Embrapa que podem contribuir com o aquicultor”. Para se inscrever no dia de campo, o link é https://abrir.link/iqwLO. 

Abrir as portas

Pela terceira vez, a Embrapa Pesca e Aquicultura organiza dias de campo para mostrar resultados de suas pesquisas em Palmas e na região. A variedade de temas trabalhados no centro de pesquisa envolve três grandes áreas temáticas: as duas que constam em seu nome (sendo a aquicultura a área com maior equipe e na qual se investe maior esforço de Pesquisa); e sistemas agrícolas, que reúnem, entre outros, trabalhos com pastagens, algodão, arroz, milho, gergelim e mandioca. O grupo de sistemas agrícolas, além de equipe da própria Embrapa Pesca e Aquicultura, conta com pesquisadores de outros centros da Embrapa.

A opção pelos dias de campo vem surtindo efeito positivo. Para Pedro, “as pessoas estão se familiarizando com o evento e com a Embrapa. Hoje, se sentem mais próximas com essa possibilidade de participar de dias de campo dentro das dependências da empresa”. Patrícia vai na mesma linha: “o objetivo é abrir as portas da Embrapa, divulgar nosso centro e, também, os nossos resultados. A cada ano, novos projetos surgem, as pesquisas evoluem e novas conclusões são tomadas”. 

A supervisora de Transferência de Tecnologia da Embrapa Pesca e Aquicultura lembra que “a pesquisa não é estática! Por outro lado, o público que hoje está nas universidades há três anos não estava e, por isso, precisamos fazer esse tipo de evento de forma frequente para que possamos, de fato, transferir a nossa tecnologia”. A Embrapa Pesca e Aquicultura fica no prolongamento da Avenida NS 10, cruzamento com a Avenida LO 18, sentido Norte, no Loteamento Água Fria. O endereço pode ser acessado neste link do Google Maps: https://abrir.link/MxwzH. 

Os dias de campo de 18 e 19 de junho fazem parte da programação dos 15 anos da Embrapa Pesca e Aquicultura, que serão comemorados em 12 de agosto. Outras ações estão sendo planejadas para marcar a data. A presença da empresa no Tocantins é anterior a 2009. Antes, havia um escritório com alguns empregados ligados à Embrapa Cerrados, de Planaltina-DF. (Embrapa/TO)