Cultura

O grupo é formado por 55 membros, sendo 44 dançarinos e integrantes da produção de apoio do espetáculo.

O grupo é formado por 55 membros, sendo 44 dançarinos e integrantes da produção de apoio do espetáculo. Foto: Secom Araguaína

Foto: Secom Araguaína O grupo é formado por 55 membros, sendo 44 dançarinos e integrantes da produção de apoio do espetáculo. O grupo é formado por 55 membros, sendo 44 dançarinos e integrantes da produção de apoio do espetáculo.

A junina Encanto do Luar de Araguaína é uma das participantes das etapas municipal e interestadual do tradicional Festival São João do Cerrado, que será realizado nos dias 28, 29 e 30 de junho, no Parque Cimba. A apresentação da junina se chama “Quando as luzes se apagam” e promete muita emoção, com assuntos do cotidiano que retratam a saudade, esperança, amizade e a superação da dependência emocional.

O nome escolhido da apresentação está relacionado ao momento no espetáculo em que as luzes se apagam e os principais personagens precisam lidar com os seus sentimentos sombrios.

“É aquele momento em que a luz interior da pessoa se apaga e ela começa a se fechar para algumas situações da vida”, conta o produtor artístico e figurinista, Luciano Tavares.

Desde que foi fundada, em 2015, junto à Associação de Moradores do Setor Tiúba, a junina participa do São João do Cerrado. “Todo os anos fazemos questão de participar, pois é um evento grandioso que proporciona um senso de pertencimento e conexão, além de transmitir conhecimentos, tradições e formas de expressão únicas de uma sociedade”, disse Luciano.

A Junina Encanto do Luar é formada por 55 membros, destes, 44 são dançarinos e mais 11 pessoas que fazem parte da produção de apoio do espetáculo. Até a apresentação final, o grupo ensaia quatro vezes por semana.

Enredo

A apresentação vai retratar a história de um casal que estava há muitos anos juntos e rompe o relacionamento. A partir deste término, o noivo manifesta sintomas de dependência emocional. “Queremos trazer uma reflexão e tirar a visão de que somente a mulher vivencia isso. Por que a figura do homem também não pode ser dependente?”, questionou o produtor artístico.

A história se passa em um município fictício que recebeu o nome de Cidade das Cores. O figurino escolhido por eles tem a cor preta para simbolizar o luto vivenciado após o fim de uma relação e os detalhes coloridos e brilhosos representam a alegria.

“As cores simbolizam aquelas pessoas que são luzes em nossas vidas, os amigos que nos incentivam e nos auxiliam nos momentos difíceis. Tanto que o nosso Casal de Reis são luzes da esperança, pois entram na história para fazer o noivo reconhecer que o mais importante é se amar antes de amar uma outra pessoa e, ao final do espetáculo, a gente traz a mensagem final da importância de ‘ser luz’ na vida de alguém”, finalizou Luciano.

Histórico

No último final de semana, a Junina venceu o concurso da 3ª edição do festival São João do Povo, na cidade de Araguanã. Em 2022, a Encanto do Luar também foi campeã pela primeira vez no São João do Cerrado, com o tema “Para todo fim, um Recomeço” e, em 2016, obteve sua primeira conquista na disputa individual, quando ganhou o concurso de rainhas juninas de Araguaína.

Ao longo dos últimos anos, o grupo acumula outros títulos nas disputas individuais nos festivais municipais, estaduais e até nos municípios paraenses de Ourilândia, Conceição do Araguaia e ainda é bicampeã na cidade Redenção.

 Desde que foi fundada, em 2015, junto à Associação de Moradores do Setor Tiúba, a junina participa do São João do Cerrado (Foto: Secom Araguaína)