Saúde

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A equipe do Núcleo de Assistência Henfil da Secretaria Municipal de Saúde (Semus) de Palmas esteve, a convite, na manhã desta terça-feira, 14, na nova área que está sendo construída no Hospital Geral de Palmas (HGP) para levar informações aos funcionários da Construtora LDN sobre prevenção, assistência e a proteção dos direitos das pessoas infectadas com o HIV/Aids e outras IST (infecções sexualmente transmissíveis) .

Durante o bate papo com os trabalhadores, a enfermeira Gisele Araújo e a assistente social Lurdiane Alves, explicaram como a infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) é transmitida. “O vírus, do tipo retrovírus, ataca o sistema imunológico, que é o responsável por defender o organismo de doenças. O vírus é capaz de alterar o DNA dessa célula e fazer cópias de si mesmo, se multiplicando para continuar a infecção no organismo”, descreveu a enfermeira ao informar que de janeiro a outubro deste ano 53 novos casos foram registrados pelo Núcleo Henfil na Capital. 

A enfermeira aproveitou a ocasião para reforçar que os pacientes soropositivos, que têm ou não Aids, podem transmitir o vírus a outras pessoas pelas relações sexuais desprotegidas, pelo compartilhamento de seringas contaminadas ou de mãe para filho durante a gravidez e a amamentação, quando não tomam as devidas medidas de prevenção. 

“Por isso, é fundamental fazer o teste e se proteger usando preservativos com segurança”, disse Gisele ao ressaltar que o uso do preservativo (masculino ou feminino) em todas as relações sexuais (orais, anais e vaginais) é o método mais eficaz para evitar a transmissão das IST, do HIV/Aids e das hepatites virais B e C.

Em relação ao tratamento, a coordenadora do Henfil, Ginã Brasileira, lembrou aos presentes na palestra que todas as pessoas diagnosticadas com HIV têm direito a iniciar o tratamento com a medicação usada para a doença. “Os medicamentos impedem que o vírus se replique dentro das células e evitam, assim, que a imunidade caia e que a Aids surja”, diz justificando que o tratamento das pessoas com IST melhora a qualidade de vida e interrompe a cadeia de transmissão dessas infecções. 

No decorrer da palestra, os funcionários puderam tirar dúvidas sobre a doença, do diagnóstico e do tratamento. Ginã lembrou ainda que o atendimento e o tratamento das IST e do HIV/Aids são gratuitos nos serviços de saúde do SUS da Capital.