Saúde

Foto: Edes Pereira

Foto: Edes Pereira

As cirurgias eletivas foram suspensas no Tocantins em março de 2019, em virtude da pandemia da covid-19 - por orientação do Ministério da Saúde - no intuito de reduzir as altas taxas de contaminação. Após o avanço da vacinação contra a covid-19, houve redução dos casos confirmados, casos graves, internações e óbitos. Diante desse cenário mais favorável, a Gestão Estadual reavaliou e liberou a realização dos procedimentos eletivos a partir de outubro deste ano.

A espera de uma cirurgia de próstata há mais de dois anos, o lavrador Aldair Bispo Guedes, 61 anos, que mora em Conceição do Tocantins, é só felicidade após finalmente ter conseguido passar pelo procedimento cirúrgico no final de novembro deste ano, no Hospital Geral de Palmas, na Capital. “Eu estava na fazenda, aí fui para cidade. Cheguei em casa, quando eu abri a porta, a mulher daqui (servidora da Central de Regulação) me ligou, dizendo que a operação estava marcada. Aí eu fiquei alegre demais porque eu vinha sofrendo demais da conta. Dois anos de sofrimento não é brincadeira não”, frisa o paciente que operou no dia 29 de novembro.

O lavrador conta que vai ao médico com frequência e acredita que devido a esse cuidado que tem consigo mesmo é que foi possível detectar essa alteração na próstata logo no início. “Deu uma alteração e de lá pra cá não consegui trabalhar mais. Às vezes, eu ia ao médico, ele passava os remédios, eu melhorava e ia trabalhar, aí quando trabalhava arruinava, sangrava. Fiquei um ano desse jeito, tive que parar de trabalhar, mas sem trabalhar as coisas ficam difíceis. O médico então indicou a cirurgia, fiz todos os exames pré-operatórios, aí veio a pandemia e tive que aguardar por causa dos riscos da covid-19”, conta seu Aldair Bispo.

Já operado, seu Aldair aguarda alta médica para retornar para Conceição do Tocantins. “Eu vou respeitar o período de repouso que o médico indicar, para depois voltar a trabalhar, porque não é interessante voltar a trabalhar agora, arruinar e acabar voltando para cá. Essa cirurgia pelo SUS [Sistema Único de Saúde] é uma coisa muito boa, principalmente para mim que não tenho condições, porque afinal de contas, se não for assim a pessoa que não tem condição de pagar pode até morrer e viver com saúde é a melhor coisa do mundo”, comemora o paciente que é grato ao tratamento dispensado pela equipe multiprofissional do HGP.

Outro paciente também operado no HGP é o comerciante José Mateus, de 71 anos, que realizou exames de rotina em setembro deste ano, quando foi detectado um nódulo acima do reto. Após a biópsia, o câncer foi descoberto. Mateus e a esposa Maria do Socorro procuraram o serviço de Oncologia do HGP, no dia 10 de novembro, realizaram todos os procedimentos no dia seguinte e desde então aguardavam a cirurgia, que foi realizada no dia 23 de novembro. “Eu descobri esse câncer fazendo os exames de rotina. Fiz a cirurgia para retirada no caroço e hoje não estou sentindo mais nada, estou muito bem. Sempre é bom fazer os exames pelo menos uma vez por ano, se não fosse essa prevenção não teria descoberto isso. A operação foi muito boa, me atenderam muito bem e eu agradeço toda equipe do hospital”, destaca seu José Mateus, que deixou de pagar um plano de saúde privado devido ao valor alto e a dificuldade no atendimento.

A esposa de José Mateus, Maria do Socorro, enaltece a agilidade da equipe do HGP em todo o processo. “O SUS é o melhor plano de saúde do mundo, eu sou defensora do SUS e do HGP, mesmo sem conhecer por dentro. Essa é a primeira vez que recorremos ao hospital. Se nós estivéssemos no plano de saúde privado estaria esperando uma autorização ainda ou quem sabe ainda aguardando uma consulta”, destaca Maria do Socorro que já atuou no Conselho Nacional de Saúde e foi auditora do SUS.

Mais procedimentos

De acordo com o último levantamento da Secretaria de Estado da Saúde (SES), desde o início da gestão do governador em exercício, Wanderlei Barbosa, em 20 de outubro até o dia 12 de dezembro, as equipes multiprofissionais de médicos, enfermeiros e demais técnicos realizaram mais de 920 procedimentos, nesse período.

Em pouco mais de 60 dias de gestão, a SES tem imprimido um ritmo acelerado na realização de procedimentos. Isso se deve ao repasse autorizado pelo governador Wanderlei Barbosa, na ordem de R$ 3 milhões, oriundos do Tesouro Estadual, que deve ser utilizado na realização de cirurgias eletivas incluindo o pagamento de premiação para os profissionais responsáveis por cada procedimento.

A medida possibilitará a realização de 3.098 cirurgias até janeiro de 2022 nos hospitais estaduais. Estão sendo priorizados 458 tipos de procedimentos entre cirurgias geral, ginecologia, urologia, pediátrica, cabeça e pescoço, cardiologia, otorrinolaringologia, aparelho digestivo, mastologia, bariátrica, neurologia, vascular, e ortopedia.

“Histórias como a do senhor Aldair e do senhor Mateus nos fazem refletir o quanto é importante que o poder público esteja presente no dia a dia na vida do cidadão. São pessoas que precisaram passar por cirurgias delicadas e puderam fazer os procedimentos no hospital do Estado. É importante manter esses atendimentos para que mais pessoas que aguardam uma cirurgia possam fazer o quanto antes o procedimento, para zerarmos essa fila involuntária que surgiu devido a pandemia”, destaca o governador Wanderlei Barbosa.