Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Cultura

Foto: Divulgação

A intolerância e o fundamentalismo na contemporaneidade estão na base do questionamento da segunda exposição deste ano do Projeto Sesc Arte ao Cubo. “parâmetros?”, de Cláudio Montanari (RS) terá sua abertura nesta segunda-feira, dia 4 de junho às 19h na praça externa do Centro de Atividades do Sesc Palmas, que fica na 502 Norte.

O Sesc Arte ao Cubo é um projeto de site specific que tem como espaço de exposição a praça externa do Centro de Atividades Sesc Palmas (502 Norte). É composto de 3 cubos, medindo 2,5m cada face. O seu espaço pode ser utilizado de forma parcial ou total, ou seja, os cubos, os muros e a grama. As visitações acontecem de forma espontânea, podendo haver visitas mediadas para grupos organizados dependendo dos agendamentos.

“parâmetros?” questiona a sociedade atual que passa por um processo de radicalização e intransigência, dando margem para os extremismos relacionados a temas comuns do cotidiano. Cláudio Montanari buscou estabelecer uma relação da obra a ser apresentada e os muros e barreiras que se alicerçam na intolerância e no fundamentalismo que estão inscritos na contemporaneidade. Para tanto, partiu de imagens icônicas que representam momentos marcantes da história humana: o Homem Vitruviano, de Da Vinci e a representação da Teoria da Evolução, de Darwin, que marcam e determinam em momentos distintos um sentido de classificação, ordenação.

Para o artista, “vivemos tempos de intolerância, em que as diferenças são acentuadas e usadas como instrumentos de distinção, divisão e classificação. Além de muitos posicionamentos serem tomados de atitudes extremadas e impensadas, a discriminação e a segregação vêm disfarçadas de ‘valores morais’ e ‘honra familiar’. Chegamos ao ponto de não termos mais consciência do sentido da palavra ‘humanidade’. Sujeitos são classificados, analisados e valorados por meio de padronização irrefletida e, muitas vezes, oriunda do preconceito e da incapacidade de romper com o já estabelecido. A ‘obrigação’ de se viver de forma padronizada imprime um ritmo ansioso e perturbador da individualidade. E sem dar-mo-nos conta, entramos no jogo!”, ressalta Montanari. 

A visitação segue aberta ao público até o dia 17 de agosto.

Perfil

Cláudio MontanariBacharelou-se em Desenho e Plástica pela Universidade Federal de Santa Maria (RS) em 1994. Em 1997 concluiu o curso de Especialização em Design para Estamparia, na mesma instituição. Em 1998 transfere-se para Florianópolis (SC), onde atua na área de estamparia e começa a desenvolver sua carreira artística
participando de salões e exposições. Radicado em Palmas (TO) desde 2005, dá continuidade à sua pesquisa estética tendo como base a serigrafia, dedicando atenção especial à exploração de suportes e materiais alternativos tais como o papelão. Tem sua poética baseada nas relações do homem, seu cotidiano e o ambiente, retratadas nos últimos anos, através das instalações artísticas, “Embalagem”(2008), “controle“(2010), “Nexo casual?”(2013), “Na Estrada – Seres Motorizados”(2013), “Rogai por Nós”(2015). Já expôs suas obras em vários estados do Brasil como: Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Goiás, São Paulo, Tocantins, Mato Grosso, Maranhão, Amazonas, Rondônia e no Distrito Federal. Atua como Professor de Desenho na Fundação Cultural de Palmas e também trabalha na criação e construção de cenários e ilustrações.