Conexão Tocantins - O Brasil que se encontra aqui é visto pelo mundo
Saúde

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Secretaria nega que ausência de médicos tenha provocado problemas de atendimento à população

A Secretaria de Estado da Saúde (SES), afirmou que os serviços essenciais de saúde não serão prejudicados com as reduções de servidores já anunciadas pela gestão. A nota oficial do governo foi divulgada ainda nesta quinta-feira, 3, após notícias veiculadas nos meios de comunicação do estado de que os hospitais da rede estadual de saúde estavam com atendimento prejudicado devido à falta de profissionais para prestar atendimento.

Juntamente com os 15 mil servidores contratados que foram exonerados no dia 1º de janeiro, 629 médicos também foram dispensados, além de enfermeiros e técnicos de enfermagem em todo o estado, deixando os hospitais com déficit de profissionais e causando uma superlotação repentina em prontos atendimentos e nas UPAS.

Em Porto Nacional os enfermeiros do Hospital Regional chegaram a registrar boletim de ocorrência na Polícia Civil denunciando a falta de profissionais para atender os pacientes na unidade.

Já no Hospital Geral de Palmas (HGP), a maior unidade hospitalar do estado, a denúncia era de que os oncologistas que atuavam no hospital haviam sido dispensados, provocando um grave problema no atendimento aos pacientes com câncer.

A Ses informou ainda que “está trabalhando para que já nas próximas horas todos os contratos necessários para a manutenção dos serviços essenciais sejam devidamente regularizados sem qualquer prejuízo para os servidores, bem como para a população”.

Ainda de acordo com a pasta, “os atendimentos na saúde são realizados em rede, sendo disponibilizados atendimentos médicos de média e baixa complexidade nos municípios do Estado, disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Unidades de Pronto Atendimento (UPA). Os atendimentos hospitalares são realizados apenas para casos mais graves e complexos”.

Segundo a secretaria, as exonerações fazem parte do redimensionamento necessário para o enquadramento do Estado na legislação de responsabilidade fiscal, que ano após ano vinha sendo descumprida.